Avançar para o conteúdo principal

Diário de um fracasso anunciado: as angústias da criação (II)



O início do meu romance, que será parte da minha dissertação de mestrado, está sendo lido e comentado pelo meu orientador. Leitor experiente, o professor Norberto está dando dicas valiosíssimas e fazendo alguns reparos importantes. Justifiquei algumas objeções e tive que acatar outras.

A primeira e má impressão que ele teve com um trecho se desfez com a leitura das outras páginas, inclusive está gostando muito da personagem principal. Tenho a impressão que a história está ganhando vida, pois está merecendo uma leitura atenta. Lógico que o medo de um fracasso ainda permanece, justamente por ser o professor um leitor muito, muito exigente. Veremos no que vai dar tudo isso.

Comentários

Fabiano Felten disse…
Cassionei, verifique a data. Em 10/11/12, ao que parece, o mundo já terá terminado. Nem se matar será mais preciso.

No mais, tu não esperou o prof. molhar o bico, hehe. A primeira impressão nem sempre é a que fica.

Abraço,
Fabiano.
Cassionei Petry disse…
Tirei a data, não era para estar ali.
Um sinal dos céus, talvez.
Quanto ao professor, tu sabes melhor do que eu, vai vir chumbo grosso ainda.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"