Avançar para o conteúdo principal

O indefectível balanço do ano

Não posso me furtar do balanço de fim de ano. Estou com uma preguiça tremenda para escrever, mas, vamos lá, até porque esse ano merece ser lembrado e comemorado.

Em primeiro lugar, no campo pessoal, tudo tranquilo: a esposa é a mesma, a filha continua crescendo e ficando cada vez mais inteligente (e me ultrapassando na altura), minha mãe e meu pai continuam sendo minha mãe e meu pai (e o velho continua bebendo e bebendo...), etc. Além disso, conseguimos comprar nossa casa própria através do Minha Casa, Minha Dívida. Um sonho que deixou de ser sonho e que de vez em quando vira um pesadelo devido a um vizinho dono do mundo. Feliz, enfim.

Nos estudos, outro sonho que está deixando de ser sonho: o Mestrado. As aulas terminaram e até 2013 tenho que concluir a dissertação, juntamente com um romance, que será objeto do estudo. Um grande desafio. Aprendi muito, lógico, conheci colegas muito inteligentes e outros nem tanto (ficar conversando no MSN em plena aula de mestrado, façam-me o favor!), li e escrevi muito, me aprofundei em algumas temas, fiz apresentação num colóquio, ganhei boas notas nos artigos e ensaios escritos, enfim. Ainda escrevi um desabafo destacando pontos negativos e um segundo chegou a ser pensado, mas vão ficar inéditos por razões políticas, digamos assim, afinal o meio acadêmico é cheio de vaidades e tenho meus interesses lá dentro.

No lado profissional, foi um ano em que não precisei me deslocar à cidade vizinha para lecionar, sendo que fiquei com mais horas na escola próxima à casa que adquiri. Justamente essa economia de passagens me proporcionou encarar um financiamento. Tenho bons colegas, ótimos diretor, vice-diretoras e supervisoras, que acompanham e ajudam no trabalho e valorizam o que o profissional faz. Os alunos... bem, há ótimos alunos, mas se sobressaem aqueles que só atrapalham e desprezam o professor. Quem acompanha o blog sabe o quanto isso me deixa incomodado e frustrado.

Por falar em frustração, meu livro não saiu neste ano. O editor enrolou, enrolou e nada. Promete para o próximo, mas não sei não. Se nada estiver decidido até março, desisto e parto para outra editora. Ou abandono de vez a carreira de escritor.

Quanto ao blog e aos textos para o jornal, o ano continuou sendo bom. As visitas aumentaram, os seguidores também, houve muitos comentários enriquecedores, enfim. Por conta das minhas opiniões sobre o ateísmo, participei de um documentário feito por alunos de comunicação da Unisc, além de ter sido convidado pelo jornal e pela rádio Gazeta para falar sobre o tema, mas não pude atender por questões de horário e outros compromissos. Mantive contato com alguns escritores, mas perdi um interlocutor de peso, o Scliar.

O que mais poderia dizer? Continuo tuitando, mas orkutiando menos. Cheguei a abrir um Facebook, mas a banalidade por lá me fez desativar a conta. O MSN também é quase coisa do passado, salvo quando converso nas madrugadas com a colega Jaque ou com uma leitora muito especial lá de Santos, a Bianca. Foi um ano em que me dediquei muito a ler, preparar aulas e, claro, escrever.

Acho que é isso. Saldo positivo, portanto. Se melhorar, melhora.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…