Avançar para o conteúdo principal

Bolaño no Traçando livros de hoje


Minha colaboração no jornal Gazeta do Sul de hoje, no caderno Mix:  http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/344910-uma_literatura_do_desconforto/edicao:2012-05-09.html
Uma literatura do desconforto
 
Roberto Bolaño, o nome literário do momento no cenário mundial, já apareceu no “Traçando Livros” quando do lançamento, no Brasil, do romanção póstumo 2666. A obra, no entanto, pode não atrair o leitor iniciante devido a sua extensão e complexidade. Pois a editora Companhia das Letras lança agora um volume de contos do escritor chileno, morto em 2003, que podemos classificar como mais acessível. Chamadas telefônicas (traduzido por Eduardo Brandão), originalmente publicado em 1997, abrange, de certa forma, boa parte do universo temático bolañiano em narrativas curtas, mas com o mesmo desconforto causado pelas narrativas mais extensas do autor.

O livro é dividido em três partes. A primeira, nomeada com o mesmo título do volume, traz contos metaliterários, ou seja, cujos temas giram em torno de escritores, principalmente o alter ego de Bolaño, Arturo Belano, protagonista do romance Os detetives selvagens. No conto inicial, Belano troca correspondência com Sensini, um escritor argentino que vive exilado na Espanha, e aprende com ele táticas para ganhar concursos literários e, assim, obter um bom dinheiro para sobreviver. Uma das estratégias, conta Belano, era “que eu participasse do maior número possível de prêmios, mas sugeria que como medida de precaução mudasse o título dos contos se com um só, por exemplo, me inscrevesse em três concursos cujos resultados saíssem mais ou menos na mesma data”. Belo conto sobre a condição do escritor que pena durante anos pelo reconhecimento de sua obra, mesmo tendo já um grupo limitado de fiéis leitores. “O mundo da literatura é terrível, além de ridículo”, afirma Sensini, que alguns críticos dizem ser um espelho do próprio Bolaño, que durante anos buscou ganhar vários concursos que tinham prêmios em dinheiro, enquanto outros afirmam que se trata do argentino Antonio Di Benedetto, autor do romance Os suicidas.

Os demais contos dessa primeira parte continuam tratando de escritores malditos em busca de reconhecimento, como Henri Leprince, poeta que vive na França em plena Segunda Guerra Mundial, dividido entre a resistência ao nazismo e ao colaboracionismo, escolhendo o que convém aos seus interesses literários. Em “Enrique Martín” – conto dedicado ao espanhol Vila-Matas, autor do livro de contos Suicídios exemplares –, um poeta desiste de ser valorizado pelo seu talento (que não tem, segundo o narrador), passando a se dedicar a uma revista de ufologia e, por fim, tirando sua própria vida.

A segunda parte traz contos sobre violência, um dos temas principais de 2666. Aparecem mais elementos autobiográficos, como em “Detetives”, conto escrito sem narrador, todo em forma de diálogo entre dois policiais de um presídio, que falam sobre Belano, que esteve sob a guarda deles durante a ditadura do Chile, sendo que um deles teria sido seu colega de escola, fato que aconteceu com o próprio Bolaño. Já a seção derradeira da coletânea de contos traz personagens femininas, como “Joanna Silvestri”, uma atriz pornô dos EUA que, internada numa clínica, fala a um detetive sobre outro grande astro deste gênero de filme, por quem era apaixonada.

Roberto Bolaño sabe como poucos expressar nossas angústias, sejam elas relacionadas à literatura ou aos relacionamentos humanos. Uma personagem reflete sobre “como é possível que um ser humano passe de um extremo a outro em seus sentimentos, em seus desejos. Logo se embriaga ou busca consolo em um livro”. Os livros, no entanto, pelo menos os que trazem literatura de qualidade, não servem para consolar, mas para incomodar. Como escrevi outra vez nesse espaço, fazendo referência a uma frase do próprio Bolaño, o livro é o melhor travesseiro que existe, mas um travesseiro nada confortável.

Quem deseja consolo, melhor fazer uma chamada telefônica para o seu melhor amigo.

Cassionei Niches Petry é mestrando em Letras e bolsista do CNPq. É um bolañomaníaco assumido. Quinzenalmente escreve para o Mix e mantém o blog cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …