Avançar para o conteúdo principal

Livros livres



Tenho uma biblioteca considerável aqui em casa. Há mais ou menos vinte anos compro livros, sejam novos ou garimpados em sebos e balaios de feiras. Apesar de minha profissão e minha pós-graduação envolverem muitas leituras, o salário de professor não permite que consiga comprar todos os exemplares de que necessito. Faço mestrado em Letras e me interesso por literatura, por isso priorizo os livros dessa área. Procuro, então, a excelente biblioteca da universidade para ler os do campo da linguística. Nem sempre, porém, há exemplares para todos os alunos e precisamos devolver o que pegamos emprestado. Para continuar lendo, a solução encontrada é fazer uma cópia reprográfica ou, como mais popularmente se diz, “tirar um xerox”.
Para os estudantes da área de humanas, surgiu há alguns anos uma boa alternativa para compartilhar textos ou até livros inteiros. Uma espécie de biblioteca virtual, o site Livros de Humanas disponibilizava um riquíssimo material para leitura e pesquisa. Retirados de bibliotecas ou comprados por uma pessoa, os livros eram digitalizados e depois “emprestados” através do download. Infelizmente, o site teve que sair do ar em consequência de uma ação judicial movida pela ABDR (Associação Brasileira de Direitos Reprográficos) a partir de uma solicitação de duas editoras.
Seguiu-se ao fato uma onda de protestos pela internet, sendo que o mais incisivo movimento de apoio ao Livros de Humanas é o site Direito de acesso (http://direitodeacesso.net.br), que está centralizando as ações relacionadas à “livre circulação do pensamento” e ressaltando que “o acesso online de obras não prejudica os direitos autorais, na medida em que propicia maior visibilidade das obras”. Leitores, professores, profissionais de vários ramos e até escritores e editoras apoiam a causa, pois avaliam que a difusão de obras através da web só traz benefícios, pois aumenta o número de potenciais compradores e, acima de tudo, mantém viva a alta cultura, que cada vez perde mais espaço para realizações medíocres como os livros de autoajuda.
Sobre a discussão da propriedade intelectual, sempre lembrada pelas editoras e escritores que tentam censurar qualquer tipo de compartilhamento pela rede mundial de computadores, deixo uma pequena reflexão. Estou usufruindo de uma bolsa do CNPq que custeia a mensalidade do curso de mestrado, para o qual produzo um romance e um texto teórico sobre a criação literária. Posso me considerar como proprietário exclusivo da minha produção, sendo que ela só está sendo possível através do dinheiro público? Pois vale lembrar que boa parte do material antes disponível no Livros de Humanas foi financiada da mesma forma pelos nossos impostos, sendo fruto de bolsas de pesquisa ou leis de incentivo à cultura. Logo, o mínimo que um autor deveria fazer era liberar o download, pois é sua obrigação devolver o que recebeu em forma de bens intelectuais para a população. Se a obra interessar ao leitor, ele fatalmente vai comprá-la ou indicar para que outros leitores a adquiram.
Para cada Livros de Humanas que fecha, dez blogs que compartilham música de duvidosa qualidade são criados. Mais livros livres e menos mediocridade é o que queremos para reverter essa situação.
 Cassionei Niches Petry – professor e mestrando em Letras com bolsa do CNPq.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…