Avançar para o conteúdo principal

Justificativa aos “patrões”

Texto já publicado neste espaço, mas modificado.



Quando se aborda a qualidade de ensino em jornais ou as reivindicações dos professores, alguém escreve uma carta, geralmente um pai se dizendo nosso patrão, criticando os professores por estarem sempre de folga e tirarem três meses de férias. Cabem alguns esclarecimentos para “iluminar” cérebros que vivem ainda na Idade das Trevas.
Em primeiro lugar, essa “folga” dos professores é ocupada por preparação de aulas, correção de provas e, no meu caso, redações, além de leituras de jornais, revistas, sites e demais fontes que nos mantêm bem informados e preparados para entrar na sala de aula. O professor não sai da escola e volta só no outro dia, retomando o trabalho de onde parou. Ele não está comprometido com dados arquivados no computador, mas sim com crianças e adolescentes que não são máquinas. Querer comparar com outras profissões é uma falta de ética, pois essas mesmas pessoas que criticam sem razão não gostariam de ver seu trabalho questionado por quem não conhece a realidade de cada profissional.
Quanto às férias, a rigor temos 30 dias, como todas as outras profissões. Os demais dias, no entanto, são considerados recessos, que acontecem por diferentes motivos: em julho, é um descanso não só para o professor, mas para o próprio aluno, pois o estudo envolve uma atividade intelectual desgastante para a mente da criança. Qual pai que gostaria de ver seu filho sem vontade para nada já na metade do ano? Do final de dezembro até meados de janeiro, há outro recesso, mas o professor deve estar à disposição para qualquer eventualidade, como revisão de provas, por exemplo. De meados de janeiro há meados de fevereiro, acontecem as férias, sendo que voltamos ao trabalho na semana anterior às aulas para palestras e outra atividades preparatórias para o início do ano letivo. Além disso, só há esse tempo todo de pausa devido ao veraneio, sendo que há pais que só podem sair de férias no primeiro mês do ano e outros no segundo. Há ainda o interesse do comércio no litoral. Se houvesse somente um mês de férias para os alunos, as consequências econômicas para esses lugares seriam enormes.
Nesse tempo todo, é bom salientar, o educador não está exatamente parado. O professor de Português, por exemplo, continua lendo, escrevendo muito e estudando as mudanças ortográficas. O professor de História pesquisa e relê sobre os fatos históricos, bem como assiste aos noticiários, afinal de contas os fatos que estão acontecendo agora serão comentados em sala de aula. O professor de Geografia, por seu turno, está acompanhando atentamente as questões climáticas, por exemplo. Cada profissional da educação, mesmo quando diz que quer esquecer um pouco o trabalho, acaba sempre, cada um do seu modo, estudando e se atualizando, pois sabe que enfrentará centenas de jovens antenados com as novas tecnologias.
Para terminar: os pais não são os únicos patrões de quem trabalha na esfera pública. Todos nós pagamos impostos. Portanto, quem decide sobre os rumos da educação e quem deve buscar melhorar o ensino somos todos nós.
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…