É a roda



Ponho Paganini para ouvir. Concerto para violino número 3. A orquestra introduz o tema. O solista, mais adiante, entra sozinho, dialogando, depois conduzindo os outros instrumentos, impondo, de certa forma, sua individualidade. É a representação sucinta de um indivíduo que se diferencia do coletivo, não significando exatamente que esteja sendo egoísta.
Artistas como Paganini externavam, através da arte, o que sentiam. Gênios incompreendidos que encontravam justamente nessa incompreensão o seu sucesso. Parece paradoxal, mas muitos pintores, músicos, cineastas e escritores acabaram sendo reconhecidos dessa forma, claro que na maioria das vezes depois de anos de suas realizações. Outros nunca alcançaram êxito. É a roda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu