Avançar para o conteúdo principal

É a roda



Ponho Paganini para ouvir. Concerto para violino número 3. A orquestra introduz o tema. O solista, mais adiante, entra sozinho, dialogando, depois conduzindo os outros instrumentos, impondo, de certa forma, sua individualidade. É a representação sucinta de um indivíduo que se diferencia do coletivo, não significando exatamente que esteja sendo egoísta.
Artistas como Paganini externavam, através da arte, o que sentiam. Gênios incompreendidos que encontravam justamente nessa incompreensão o seu sucesso. Parece paradoxal, mas muitos pintores, músicos, cineastas e escritores acabaram sendo reconhecidos dessa forma, claro que na maioria das vezes depois de anos de suas realizações. Outros nunca alcançaram êxito. É a roda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

"Cacos e outros pedaços" no Caderno de Sábado do Correio do Povo

O lançamento do meu livro na semana passada teve divulgação no Caderno de Sábado do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre.