Avançar para o conteúdo principal

O Traçando Livros de hoje é sobre as crônicas de Cláudia Laitano




"Eu vou comprar esse disco
E me trancar no meu quarto". Zé Rodrix


Viver entre livros, discos e filmes prediletos é um paraíso para muitos. Alguns até trocariam sua cara-metade, se tivessem que escolher entre os prazeres do intelecto e o amor de sua vida. Não é o meu caso, é bom frisar, até porque nunca vou precisar optar entre as minhas paixões, apesar do ciúme que a patroa tem do meu pequeno mundo, a biblioteca, onde me refugio boa parte do dia.

Cláudia Laitano, colunista e editora de cultura do jornal Zero Hora, reuniu suas crônicas sobre esse paraíso no volume Meus livros, meus filmes e tudo mais (L&PM Editores, 184 páginas). Um paraíso dela, mas que compartilha com os leitores, comentando e dando dicas sobre o que considera essencial para se ler, ouvir e assistir, numa linguagem simples, mas ao mesmo tempo sofisticada, relacionando as obras com nosso cotidiano, tema de toda boa crônica.

No primeiro texto, ao escrever sobre Como falar dos livros que não lemos?, de Pierre Bayard, a escritora nos convida, implicitamente, a não abandonar o seu próprio livro: “resta um único motivo, genuíno e insubstituível, para dedicar tempo e paixão à leitura: a vontade de ler”. Seguem-se crônicas sobre o casamento ou a vida íntima dos escritores, filmes que abordam a perda da memória (“O que essa fixação atual na perda da memória parece expor é a ausência de backup na vida real”), os diários de Susan Sontag, os mitos gregos como fonte de sabedoria, a velhice e a proximidade da morte, os “gostos inconfessáveis” (ouvir “Rosana cantando ‘O amor e o poder’, como se o mundo fosse acabar amanhã”). A última parte, o “tudo mais” do título, trata de temas diversos, como política e educação (“Na sala de aula, em muitos casos, saiu-se da palmatória para o vácuo total de autoridade”).

Em “Sem respostas”, Cláudia Laitano escreve sobre obras que discutem a condição do ateu – como Os irmãos Karamazov, de Dostoiévski, ou Os Maias, de Eça de Queirós –, e atestam a condição da literatura como “essencialmente antidogmática, mesmo quando parece o contrário. Porque a grande literatura é aquela que tenta entender, e não a que tenta ensinar”. Nesse sentido, em outra crônica, critica uma afirmação do escritor Paulo Coelho que repercutiu muito no ano passado. Para ele, o monumental romance Ulisses, de James Joyce, não daria sequer um twitter. “Não tem nada ali”, afirmou o autor de O alquimista. Para Laitano, essa frase “é o slogan perfeito para a mediocridade arrogante de uma época que olha com desconfiança para tudo o que exige esforço”, bem o contrário dos livros do Mago.   

O título da coletânea parafraseia a música de Zé Rodrix e Tavito, imortalizada na voz de Elis Regina. Como não conseguimos viver numa casa no campo, nos contentamos com o apartamento na grande cidade ou, no meu caso, a casa geminada na cidade do interior (com direito a vizinho barulhento que nos lembra que o inferno está sempre próximo do paraíso), lugares que se tornam refúgio de quem gosta de ler um bom livro, ouvir uma boa música e assistir a um bom filme, “longe do estéril turbilhão da rua”.

Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor. Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco). Além de escrever para o Mix, publica seus textos no blog, cassionei.blogspot.com e quer, um dia, ter uma casa no campo, onde possa escrever mais sossegado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …