Avançar para o conteúdo principal

História universal do achismo, no Traçando livros de hoje

 http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/405372-historia_universal_do_achismo/edicao:2013-05-08.html

Manuscrito encontrado em um bar no centro da cidade, escrito em folhas de caderno escolar e em caixa alta. Não encontramos seu autor. Presumimos que seja um professor de Filosofia, que bebia as angústias de uma profissão não valorizada ou simplesmente refletia sobre os seres humanos que frequentavam o mesmo estabelecimento. Também pode ser de um professor de Literatura e aspirante a escritor, igualmente se sentindo um fracassado e que devora (traça?) todos os livros que julga necessários para analisar uma obra de ficção. Mesmo sem autorização, publicamos estes seus aforismos, esperando que ele apareça para assumir a autoria. Estamos tentando verificar também em quais pensadores ele se inspirou para (re)criar as frases. Cartas (com selo e tudo) para a redação.
“O achismo é imortal e indissolúvel.”
“O achismo é o princípio de tudo.”
“Quem acha é, quem não acha não é.”
“Ninguém acha duas vezes a mesma coisa.”
“O achismo é a medida de todas as coisas.”
“Só acho que nada acho.”
“Uma vida sem achismo não vale a pena ser vivida.”
“O homem é um animal achante.”
“Todos os homens têm, por natureza, desejo de achar.”
“Achar para crer, crer para achar.”
“Acho, logo existo.”
“Viver sem achar é o que se chama ter os olhos fechados sem nunca os haver tentado abrir.”
“O achismo é o lobo do homem.”
“O achismo é um caminho árduo e difícil, mas pode ser percorrido por todos, se desejarem a liberdade e a felicidade.”
“Há mais coisas no céu e na terra, do que sonha o teu vã achismo".
“Não se ensina o achismo; ensina-se a achar."
“Devemos julgar um homem mais pelo que ele acha do que por suas respostas.”
“O homem é ele e seus achismos.”
“O achismo está morto.”
“O inferno são os que acham.”
“Todos os homens sãos já pensaram em achar alguma vez.”
Já cantava Noel Rosa: “Quem acha vive se perdendo”. O autor desses aforismos, inspirados em filósofos e escritores que leu, pode ter se perdido pela cidade depois de beber. Ler é se perder. Quem encontra o caminho é porque leu autoajuda, ou seja, não leu. Você não acha?
Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor (ou melhor, aspirante a escritor). Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco). Escreve seus achismos no blog cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…