Avançar para o conteúdo principal

Juli Zeh no Traçando Livros de hoje


Minha coluna na Gazeta do Sul de hoje. Detalhe para o anunciante. Será que foi intencional? Aqui, no site do jornal: http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/424657-corpo_sao_mente_nem_tanto/edicao:2013-09-18.html

Corpo são, mente nem tanto

Um país sem nome, num futuro próximo, é controlado pelo Método, um sistema de governo “que objetiva garantir a cada indivíduo uma vida longa, sem perturbações, isto é, uma vida saudável e feliz. Livre de dor e sofrimento.” Toda a população é monitorada para que nenhum tipo de doença se propague. Porém, a liberdade também é cerceada, pois quem não cumpre as normas acaba sendo condenado a penas como o congelamento. Mia Moll, uma bióloga defensora do Método, tem suas convicções à prova depois que seu irmão, contrário ao status quo, é injustamente condenado por estupro e depois é encontrado morto: cometeu suicídio para escapar da opressão.
Corpus delicti: um processo, da escritora alemã Juli Zeh (Record, 254 páginas, tradução de Marcelo Backes) poderia ser comparado a tantos romances distópicos que retratam governos controladores da vida dos indivíduos, como 1984, de George Orwell, ou Admirável mundo novo, de Aldous Huxley. Sua proximidade é maior, porém, com a norte-americana Ayn Rand (1905-1982), que em obras como Anthem (Hino, em português), faz a apologia ao indivíduo e critica a ditadura do coletivo que trata o homem como uma simples peça que deve funcionar apenas com a máquina toda. Sozinha não tem nenhuma serventia e pode ser descartável. “Iriam me obrigar a pensar, a dizer ou fazer determinadas coisas. Mas a única exigência que eu faço é ser dono de minha realidade pessoal”, afirma Moritz, o irmão de Mia.
Mia Moll é julgada e condenada, conforme ficamos sabendo na reprodução do veredicto já no início do romance. O enredo mostra os motivos que desencadearam esse processo, que tem na figura do representante midiático do Método, Kremer, o algoz principal. Clássico exemplo de quem não tem limites éticos para comprovar suas ideias e não deixar aparecer nenhuma falha, é autor de um best-seller, A saúde como princípio de legitimação estatal, que serve de base para o regime. Mia acredita ser ele o responsável pela morte de Moritz e trava alguns debates com o líder, que aparentemente baixa a guarda para distorcer as falas e manipular informações que ela fornece, colocando contra ela parte da população, que antes começava a admirá-la.
Juli Zeh nasceu em 1974, na Alemanha. É advogada e escreveu também A menina sem qualidades, adaptado para uma série televisiva no Brasil. Há uma diferença muito grande entre as duas obras. Enquanto Corpus delicti é mais sucinta, com frases e capítulos curtos, seu outro romance é mais extenso em suas mais de quinhentas páginas e composto por frases complexas, dialogando, também na profundidade dos temas, com a obra maior de Robert Musil, O homem sem qualidades. Além disso, edição brasileira de A menina sem qualidades foi bem mais caprichada, com amplo posfácio e glossário escritos pelo tradutor Marcelo Backes, elucidando o jogo narrativo proposto pela autora (não por acaso seu título em alemão é Spieltrieb, prazer de jogar ou pulsão de jogo). Traz no enredo a história de dois alunos, Ada e Alev, que chantageiam seu professor, utilizando-o como se fosse uma peça de xadrez, numa partida que mostra a crise de valores a que pode chegar a juventude atual.
Pela capacidade da autora em tratar literariamente temas polêmicos, aliada à síntese narrativa, Corpus delicti deveria atrair um bom número de leitores, tanto os mais exigentes artisticamente quanto aos que apenas querem uma boa história não muito longa. É uma boa porta de entrada para conhecer a obra dessa importante escritora contemporânea, que ainda terá nos próximos meses outro romance lançado por estas bandas. Aguardemos.
Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras e escritor. Publicou Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com. Seria condenado pelo Método, pois não cuida muito bem de sua saúde. Prefere a mente são ao corpo são.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…