Avançar para o conteúdo principal

Por que a galinha atravessou a rua?



Eu estava em greve, mas tive que voltar ao trabalho. Não deu para segurar as pontas aqui em casa. Mais de duas semanas tendo salário descontado para lutar por um direito meu e dos demais professores deixa qualquer um frustrado. Se antes estava de cabeça erguida, lutando, hoje estou envergonhado. Mais envergonhado ainda por ter patrões como essa corja petista na qual votei durante muitos anos e em quem confiei. Mais envergonhado em saber que eles distorcem os fatos para arrumarem desculpas e não negociar como o magistério, como se o quisessem fazer antes. Uma das frases mais certas já ditas na história da humanidade foi essa: o poder corrompe. Se antes estavam do lado do professor, hoje estão se utilizando do poder para satisfazerem seus egos e deixar bem claro quem manda.
Mais envergonhado estou em saber que a população não está do nosso lado, pois, se tivesse, não ficaria calada diante dos fatos. Por isso não acreditei nas manifestações que aconteceram no país. Não saí às ruas porquanto sabia que os protestos eram apenas fogo de palha e uma forma de pessoas aparecerem nas redes sociais e registrarem sua “participação” na transformação do país. Quando os responsáveis por educar nossos filhos saíram às ruas, poucos os acompanharam. Ora, a verdadeira transformação começa na sala de aula. O Brasil só vai mudar se a educação for valorizada. Ouvimos isso há anos, mas nada é feito. E quando aqueles poucos professores tentam fazer alguma coisa, o poder cai sobre suas cabeças. E olham para o lado e não veem ninguém. 
Envergonhado estou porque não posso dizer para meus alunos respeitarem as regras, já que as próprias autoridades que as criaram não respeitam. Envergonhado porque muitos estudantes pararam também, uma atitude rara, pois estavam sendo prejudicados por uma mudança mal implementada. Suas vozes, no entanto, não foram ouvidas. “O que fazer?”, me perguntam. “Não sei”, respondo. E o silêncio surge numa sala de aula antes sempre em constante balbúrdia.
Envergonhado estou porque não tenho respostas, eu que trabalho respondendo dúvidas. Envergonhado estou porque não estou entendendo nada, eu que estudei e ainda estudo, leio e releio livros, tudo para entender o mundo que está ao meu redor. Não entendo, porém, tudo isso. Por que somente nós temos que ganhar pouco para não quebrar o caixa do estado? Por que somente nós não podemos fazer greve e protestar? Por que somente nós temos que cumprir leis e os chefes não? Por que temos que baixar a cabeça para eles, que não a baixaram quando também fizeram greve? Por que não podemos opinar sobre uma mudança se na prática vimos que ela não funciona? Por quê? Por que recebo menos que um profissional que tem a mesma formação minha ou até com formação inferior? Por que a galinha atravessou a rua? Por que separado se escreve tudo junto e tudo junto se escreve separado? Por que bota a gente calça e calça a gente bota? Por quê? Por quê?  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…