Avançar para o conteúdo principal

Sobre o Ensino Religioso nas escolas



Uma disciplina que se mantém bravamente nas grades curriculares, apesar de perder adeptos, sendo ofertada como facultativa em algumas escolas e em outras de forma obrigatória. Serve também como coringa, oportunizando que um professor complete sua carga horária e é vista como a única que ainda ensina valores morais aos alunos. Refletir sobre sua relevância em sala de aula é importante numa sociedade laica.
Em princípio sou contra o Ensino Religioso nas escolas. Assistindo a um vídeo com uma palestra do filósofo e ateu notório Daniel Dennett, porém, passei a, pelo menos, repensar o assunto. Ele defende que no ensino fundamental deve se estudar todas as religiões assim como são estudados todos os fenômenos naturais. Propõe que devem ser mostradas para as crianças as crenças existentes no mundo, ensinando seu funcionamento, seus dogmas, suas proibições, seus livros, seus pré-requisitos para a entrada em cada uma delas. Segundo ele, “a democracia depende de uma cidadania informada”. Os pais podem ensinar seus filhos o credo que quiserem, mas seriam irresponsáveis se não os deixassem conhecer outros.
Lembro que quando lecionava Ensino Religioso (sou um ateu que já foi professor de religião) o fazia de forma imparcial, mostrando que há várias crenças e, inclusive, há possibilidade de não crença. Nesse sentido, a disciplina faria um grande serviço. No entanto, como ela sempre está nas mãos de cristãos, mais particularmente católicos, na maioria das vezes ensina apenas um lado. Mesmo quando o professor leva pessoas de religiões diferentes para falar com os alunos, com o pretexto de se mostrar "aberto", durante o ano o discurso explícito e implícito predominante é o cristão. Nossas escolas, com raríssimas exceções (e posso dizer que trabalho em uma que pertence a essas raras e em outra que faz parte da maioria), celebram as datas do calendário cristão, possuem quadros ou imagens de santos, Nossas Senhoras e Jesus Cristo em suas paredes, promovem momentos de oração (há mais eventos com rezas do que com o Hino Nacional) em que o descrente se sente coagido a participar e possuem mais Bíblias do que outros livros sagrados em sua biblioteca.
Para quem pergunta por que um ateu se preocupa tanto com as religiões, respondo que elas ocuparam boa porção de tempo da minha infância e adolescência. Na idade adulta, continuam invadindo minha privacidade, minha “timeline” nas redes sociais da internet (“quem acredita em Deus compartilha, quem não acredita só olhe”), a porta da minha casa (“tem um minuto para Jesus?”) ou até entram dentro dela (“ponha um copo de água ao lado de sua televisão”), os lugares onde trabalho, as decisões governamentais, etc. Sinto-me, portanto, no direito de opinar sobre elas, afinal, se não as sigo, se digo que não acredito em um ser superior, sou considerado uma pessoa insensível, sem coração e culpada pelos males do mundo. Não posso ignorá-las porque as pessoas fazem questão que não as ignore.
Como as religiões estão tão presente na nossa vida, é normal que continue sendo estudadas nas escolas, porém sob um novo enfoque, de forma neutra. Que o professor não imponha sua crença ou descrença, mas que faça o aluno refletir sobre elas, afinal influenciam nossa sociedade. Se acontecer o contrário, será apenas uma forma de manipular a mente de nossas crianças.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …