Avançar para o conteúdo principal

Praia, livros




Para quem vive no centro do estado do Rio Grande do Sul, longe do litoral, a ida à praia é sempre uma emoção. Deparar-se com aquela enormidade de água a sua frente, banhar-se, brincar nas ondas e sentir o doce sabor salgado do oceano me transforma em criança e me faz relaxar.
Claro que há coisas muito ruins como a areia quente, o preço alto do alimento e da bebida, o sol queimando a pele, o cansaço no final do dia. Mas aquele chato que sou no resto do ano deixa tudo isso de lado e curte o que a vida tem de melhor e para de reclamar um pouco.
Engraçado é que, homem literário que sou, que vive a literatura quase 24 horas no seu cotidiano, eu acabo me esquecendo dos livros. Leio muito pouco e os exemplares que levo na mala quase não são abertos. Demorei parar terminar a leitura de O país dos ponteiros desencontrados, do Flávio Moreira da Costa, e de Historias desaforadas, do Adolfo Bioy Casares.
Ontem, porém, passeando pelo centro da cidade litorânea, encontrei um sebo e, claro, me embrenhei nas estantes abarrotadas de livros, revistas e LPs antigos, praticando a atividade que me faz ser o que sou. Não por acaso minha coluna no jornal se chama “Traçando livros”. Viro uma traça de livros velhos, procurando aquele título que não tenho e que esteja mais barato.
Comprei Castelos de papel, do Menalton Braff, escritor que admiro e com quem mantenho contato no twitter e no facebook. Adquiri também um volume duplo de contos, A Espinha dorsal da memória/Mundo fantasmo, do Bráulio Tavares, com o qual também mantenho contato no twitter e que já me mandou um exemplar autografado de uma coletânea que organizou.
Infelizmente, na minha cidade não há sebos muito bons. O único que existe possui pouquíssimos títulos. Pelo menos temos a internet para resolver esse problema, sendo que já me tornei um comprador de sebos do Brasil inteiro. Mas gosto mesmo é de folhear os exemplares, cheirá-los, revirar estantes e encontrar volumes que nem estava procurando especificamente. E, claro, busco livros com preços que não sejam tão salgados como a água do mar ou o valor do almoço nos restaurantes.

Comentários

Carlinus disse…
Entendo essa sua alegria pueril e essa, não menos intensa, compulsão de viciado livresco, Cassionei. É terrível! Ando a desfrutar as migalhas finais de minhas férias com Munro, Chesterton e Hobsbawm. E acabei de comprar três livros do Cioran e um outro do Todorov na Estante. Droga!

Abraços e bom início de ano!
Cassionei Petry disse…
Obrigado pela leitura.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…