Avançar para o conteúdo principal

De heranças e livros



É difícil eu me identificar com algum livro. Geralmente não gosto de me identificar. Aliás, o uso desse verbo é um clichê de que não gosto. Mas vez ou outra eu uso. Somos refém de clichês, não adianta. Este livro do Miguel Sanches Neto, no entanto, diz coisas que eu gostaria de dizer, traz momentos que também vivenciei, produz aquela sensação de “eu já passei por isso”.
A trajetória de leitor e as reflexões sobre o objeto livro em Herdando uma biblioteca (Record, 2004,  140 páginas) nos transportam e nos fazem valorizar mais o livro impresso, as marcas que eles nos deixam, as marcas que deixamos neles. Curiosamente, comprei esta edição num sebo e há um furo de traça em suas páginas. Outra traça marcou sua passagem por ali. Chegou a minha vez.
Em princípio é um livro de crônicas. Pode, porém, ser lido como um romance, que tem como protagonista o jovem Miguel que se torna escritor e professor. Assim como ele, também tive uma Bíblia com a tradução de João Ferreira de Almeida. Meus primeiros livros também foram os escolares herdados de parentes. Também não havia biblioteca na minha casa. Também sou do interior. Também me formei como leitor em bibliotecas escolares e públicas. Também roubei livros. ("Roubar livros que nos solicitam amorosamente é uma forma de herdar à força uma biblioteca que nos foi negada.") Também comprei muitos livros em sebos (este próprio vem de um). Meus primeiros livros também foram colocados em algumas prateleiras do armário de roupas do meu quarto. Também recebi e recebo alguns livros (não tanto como o Miguel), devido à atividade (só que no meu caso não remunerada) de crítico literário. (A propósito, este texto que escrevo não é uma crítica literária e sim, quem sabe, uma crônica ou somente impressões pessoais de leitura. Impossível ser objetivo com esse livro, pois ele me pegou emocionalmente.)

Minha identificação se encerra no momento em que a personagem Miguel se torna um escritor reconhecido e professor universitário. Continuo aqui na minha vidinha de escritor desconhecido e um simples e discreto professor de escola pública numa cidade do interior do Rio Grande do Sul. Também não tenho uma vasta biblioteca ainda. Herdo daquelas pessoas que me influenciaram, entre elas o Miguel da vida real, esse gosto meio estranho por um objeto quadrado em que mentes privilegiadas descarregaram suas angústias, sofrimentos, conhecimentos, habilidades com a palavra. Herdo dos livros que li a vontade de ter mais livros, de me desfazer dos ruins para dar lugar aos bons, de conhecer outros e esquecer alguns. Foram os livros que me formaram e depois me deformaram. Eles me construíram e também me destruíram. Construo uma biblioteca para que ela me destrua, portanto. Mesmo assim não deixo de preencher prateleiras e mais prateleiras, comprar livros e também ganhá-los. “Cada livro que colocamos em nossas estantes”, escreve o Miguel, “é uma peça a mais nesse complexo quebra-cabeça que nunca chega a se completar.” 

Outro texto sobre MSN aqui: http://cassionei.blogspot.com.br/2010/09/meu-texto-sobre-o-cha-das-cinco-com-o.html

Comentários

Jose Mattos disse…
Boa tarde!

Vim, li e gostei.

Parabéns pelo blog - belos textos.

abraço

José MAttos

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…