Avançar para o conteúdo principal

Uma novela de respeito


O seio é uma novela de Philip Roth, de 1972. No Brasil, houve uma edição ainda nos anos 70 e está esgotada. Não a encontrei nem mesmo na Estante Virtual. Sequer uma imagem da capa está disponível. Li há pouco a edição em e-book, “El pecho”, traduzido para o espanhol por Jordi Fibla. É o primeiro livro do que se tornaria a chamada Trilogia Kepesh, que teve continuação com O professor do desejo, de 1977, e termina em O animal agonizante, de 2001.
O tema é inusitado. David Kepesh, professor de literatura, acaba se transformando num seio de 70 quilos, “uma glândula mamária sem nenhuma relação com nenhuma forma humana, como só poderia aparecer, alguém pode ter pensado, em um sonho ou em uma pintura de Dali.” O leitor afeito ao cinema vai lembrar-se também do enorme seio que aparece em uma das cenas de “Tudo o que você sempre quis saber sobre sexo (mas tinha medo de perguntar)”, de Woody Allen, artista judeu como Roth. Mantido vivo em um hospital, não vê nada, mas consegue se comunicar e ficar a par da situação absurda.
Uma das situações que tem que enfrentar é o seu desejo sexual. Quando a enfermeira fica encarregada de limpá-lo, nota que se excita quando é tocado. Sua namorada, Claire, acaba lhe satisfazendo ao chupar seu mamilo fazendo-o ejacular. A sexualidade é uma obsessão de Kepeh, e será desenvolvida nas outras obras da trilogia.
É nas reflexões sobre sua existência o ponto alto da história, principalmente quando começa a negar seu estado, argumentando que talvez esteja louco e que tudo não passe de ilusão sua, provocada pela literatura. “Os livros sobre os quais tenho dado aulas... eles me meteram essa ideia na cabeça. Penso em meu curso de literatura europeia. Ocupar-me de Gogol e Kafka um ano depois de outro, explicar ‘O nariz’ e ‘A metamorfose’.” Seu psicanalista, Doutor Klinger, é representação de seu lado racional, aquele que tenta fazê-lo aceitar a realidade, e quem o adverte sobre os perigos da literatura (e por extensão, da imaginação): “Gogol, Kafka e companhia... você vai ter sérios problemas se seguir por este caminho.”

“El pecho” é uma novela de resPEITO, com o perdão do trocadilho infame. É uma das narrativas mais bem humoradas de Roth e pede uma reedição urgente por estas bandas. Aguardemos.

Outros textos sobre Roth aqui: http://cassionei.blogspot.com.br/2009/11/na-gazeta-do-sul-de-hoje.html e aqui: http://cassionei.blogspot.com.br/2012/02/o-mundo-de-zuckerman.html

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …