Avançar para o conteúdo principal

Philip Roth trapaceiro


Philip Roth publicou Deception originalmente em 1990. No Brasil, houve um edição da Siciliano em 1991, já esgotada, com o título Mentiras. Em Portugal, foi intitulada Engano. Este é mais apropriado.
Roth nos engana, criando um personagem chamado Philip, que pensamos ser ele próprio. Engana, mas não mente. Esse Philip engana sua esposa, que descobre a traição ao ler as anotações de diálogos entre o escritor com as suas amantes. Ele alega, porém, que aquilo é ficção: “É uma representação, um jogo, uma imitação de mim mesmo! Faço ventriloquismo comigo mesmo. Ou quem sabe seja mais fácil entendê-lo ao contrário: tudo é falsificado, exceto eu. Talvez inclusive eu mesmo o seja. Mas de um ou outro modo, querida, tudo se reduz a uma invenção, um entretenimento do homo ludens.” Philip Roth​, ou o personagem Philip, tenta convencer a esposa de que ele não é ele mesmo nas anotações que ela havia lido. Não consegue convencê-la, assim como não consegue convencer o leitor.
Isso já está na segunda parte, mas ainda não é o final. O final nos engana ainda mais. Ou estaria o próprio Roth se enganando? Nesse jogo, o escritor trapaceia os personagens, o leitor e ele mesmo. “Trapaça” também seria um bom título. Não é à toa que o livro é considerado um apêndice do anterior, O avesso da vida, outra trapaça, assim como The facts, que tem como subtítulo “uma autobiografia de um romancista”, mas que não é uma autobiografia. Capricho de escritor? “‘Caprice’ é o que está no coração da natureza de um escritor. Explorações, fixações, isolamento, malignidade, fetichismo, austeridade, leviandade, perplexidade, infantilismo, etc. O nariz na costura da roupa de baixo - que é a natureza da vida do escritor. Impureza.”
 Na primeira parte de Deception, a dos diálogos entre os amantes, estamos diante de reflexões sobre a condição judaica (que não poderia faltar), o processo de escrita e a criação de personagens como Nathan Zuckerman, o câncer, etc. Temas que perpassam a obra rothiana. Mas é o adultério o foco da obra. Coincidentemente, estive relendo alguns romances com esse tema, preparando material para as minhas aulas (o lado prazeroso de ser professor). Madame Bovary, de Flaubert, e Dom Casmurro, do nosso Machado de Assis, foram algumas dessas leituras. Ema Bovary é até citada nos diálogos de Deception. Roth pinta com tintas nada coloridas as relações humanas, as nossas mais escondidas relações.

O que é verdade e o que é ficção? Claudia Roth Pierpont, em Roth libertado: o escritor e seus livros, editado pela Companhia das Letras, nos aponta os caminhos. Ela revela que tudo o que parece ser realmente é. Aliás, é por causa deste livro que estou lendo toda a obra de Roth, tentando entender como a vida dele influenciou na sua escrita e vice-versa. Estou na metade desse processo todo. Há ainda os anos 90 e 2000 para explorar. Philip Roth vai continuar me trapaceando. E, como leitor, gosto de ser trapaceado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…