Avançar para o conteúdo principal

Philip Roth trapaceiro


Philip Roth publicou Deception originalmente em 1990. No Brasil, houve um edição da Siciliano em 1991, já esgotada, com o título Mentiras. Em Portugal, foi intitulada Engano. Este é mais apropriado.
Roth nos engana, criando um personagem chamado Philip, que pensamos ser ele próprio. Engana, mas não mente. Esse Philip engana sua esposa, que descobre a traição ao ler as anotações de diálogos entre o escritor com as suas amantes. Ele alega, porém, que aquilo é ficção: “É uma representação, um jogo, uma imitação de mim mesmo! Faço ventriloquismo comigo mesmo. Ou quem sabe seja mais fácil entendê-lo ao contrário: tudo é falsificado, exceto eu. Talvez inclusive eu mesmo o seja. Mas de um ou outro modo, querida, tudo se reduz a uma invenção, um entretenimento do homo ludens.” Philip Roth​, ou o personagem Philip, tenta convencer a esposa de que ele não é ele mesmo nas anotações que ela havia lido. Não consegue convencê-la, assim como não consegue convencer o leitor.
Isso já está na segunda parte, mas ainda não é o final. O final nos engana ainda mais. Ou estaria o próprio Roth se enganando? Nesse jogo, o escritor trapaceia os personagens, o leitor e ele mesmo. “Trapaça” também seria um bom título. Não é à toa que o livro é considerado um apêndice do anterior, O avesso da vida, outra trapaça, assim como The facts, que tem como subtítulo “uma autobiografia de um romancista”, mas que não é uma autobiografia. Capricho de escritor? “‘Caprice’ é o que está no coração da natureza de um escritor. Explorações, fixações, isolamento, malignidade, fetichismo, austeridade, leviandade, perplexidade, infantilismo, etc. O nariz na costura da roupa de baixo - que é a natureza da vida do escritor. Impureza.”
 Na primeira parte de Deception, a dos diálogos entre os amantes, estamos diante de reflexões sobre a condição judaica (que não poderia faltar), o processo de escrita e a criação de personagens como Nathan Zuckerman, o câncer, etc. Temas que perpassam a obra rothiana. Mas é o adultério o foco da obra. Coincidentemente, estive relendo alguns romances com esse tema, preparando material para as minhas aulas (o lado prazeroso de ser professor). Madame Bovary, de Flaubert, e Dom Casmurro, do nosso Machado de Assis, foram algumas dessas leituras. Ema Bovary é até citada nos diálogos de Deception. Roth pinta com tintas nada coloridas as relações humanas, as nossas mais escondidas relações.

O que é verdade e o que é ficção? Claudia Roth Pierpont, em Roth libertado: o escritor e seus livros, editado pela Companhia das Letras, nos aponta os caminhos. Ela revela que tudo o que parece ser realmente é. Aliás, é por causa deste livro que estou lendo toda a obra de Roth, tentando entender como a vida dele influenciou na sua escrita e vice-versa. Estou na metade desse processo todo. Há ainda os anos 90 e 2000 para explorar. Philip Roth vai continuar me trapaceando. E, como leitor, gosto de ser trapaceado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …