Avançar para o conteúdo principal

Somos todos Dante

Na página de opinião do jornal Gazeta do Sul de hoje.

Somos todos Dante

Dante Alighieri, para quem não sabe, foi o poeta italiano que escreveu A divina comédia, poema épico que narra a viagem do próprio escritor feito personagem ao Inferno, indo depois para o Purgatório até chegar ao Paraíso, onde estava sua amada Beatriz. O inferno dantesco é composto por nove círculos e o poeta os desce um a um, guiado por Virgílio, poeta latino, autor de Eneida. Cada círculo corresponde a diferentes punições, dependendo do pecado cometido. No último círculo, está Satanás, devorando os três maiores traidores da humanidade segundo o poema: Judas, Brutus e Cassius.

Pois descemos o primeiro círculo no final de julho, quando os servidores públicos do Rio Grande do Sul receberam apenas uma parte do seu salário, que seria parcelado, conforme as ameaças que já vinham acontecendo. Ninguém, no entanto, acreditava que isso viria a se concretizar. Como resultado, paralisações, inclusive dos policiais, professores trabalhando em turno reduzido e depois uma greve de três dias marcaram o mês de agosto. De nada adiantou. Recebemos sim a outra parte devida, mas o governador, na sua inabalável indiferença, já avisava que viria coisa pior.

Estamos agora no segundo círculo. Mais uma vez fomos surpreendidos ao receber uma primeira parcela, desta feita ainda menor do que a do mês anterior. O restante, diferentemente da outra vez, não será pago numa segunda parcela, mas sim em “suaves três prestações sem juros”. O detalhe é que isso acontece apenas para os servidores do Executivo. O Poder Legislativo e o Poder Judiciário mantêm seus altos salários intactos. Coincidência ou não, são aqueles que criam e julgam as leis. Coincidência ou não, não se manifestam sobre o assunto. Quando o fazem, é com muita discrição.

Devido a isso, a maioria dos funcionários públicos parou de trabalhar. Mais três dias de greve. Há realização de protestos, tranca-se o trânsito, palavras de ordem são proferidas, desabafos são escritos nas redes sociais, essa ágora moderna. Não se vê, entretanto, nenhum abalo nas convicções do governador. Depois de confirmados nos contrachoques, ops, contracheques os míseros 600 irreais, ops, reais de pagamento, nosso patrão foi fotografado dançando sorridente na Expointer.

Reparem que estamos apenas no segundo círculo. Vamos descer mais. Os professores já decidiram continuar com os braços cruzados, ou melhor, levantados, segurando cartazes e faixas e usando suas mãos para escrever artigos para jornais ou desabafos na internet. Tudo é válido. No entanto, se Dante somente presenciava o sofrimento das almas condenadas, na nossa divina comédia humana somos nós que sofremos, sem saber, no entanto, que pecados foram cometidos.


Lá no último círculo estão o grande mal e aqueles que nos traíram. Esperamos passar por eles. Ainda teremos que passar por um purgatório. Chegaremos ao paraíso? Não sei. Meu pessimismo e ceticismo crônicos dizem que não, mas ainda há aqueles que acreditam nas utopias.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …