Avançar para o conteúdo principal

“Com a razão em parafuso”


Um dos argumentos para os defensores de quem está no poder (e que curiosamente há alguns anos tinham como missão lutar contra os poderosos) é de que os que irão tomar o poder querem retomar a ditadura militar. Curiosamente, estes defensores da democracia (que curiosamente querem ser donos da palavra democracia e calar a voz de boa parte do povo que não pensa como eles) se esquecem de que um dos partidos que apoiam os que estão no poder tem origem, curiosamente,  no partido que detinha o poder na ditadura militar.

Os que defendem quem está no poder afirmam que quem tomará o poder é um político corrupto. Curiosamente, esse político foi eleito pelos mesmos votos de quem botou democraticamente os políticos que hoje estão no poder.

Curiosamente, boa parte dos defensores de quem está no poder é de artistas, intelectuais, professores, gente esclarecida, formadores de opinião que acabam deformando a opinião, na medida em que expressam, refletem, ensinam as outras pessoas a ter pensamento crítico, mas não deixam que esse pensamento crítico seja contra quem está no poder. Nesse grupo, há músicos censurados pelo poder da ditadura e que hoje não deixam que suas obras, que antes expressavam a luta pela liberdade, sejam livremente utilizadas por outros artistas que também clamam por liberdade. Com a leitura de muitos escritores desse grupo, aprendi a não me curvar ante os poderosos. Hoje esses mesmo escritores se curvam a quem está no poder.

Curiosamente, os defensores de quem está no poder dizem que quem está no poder tirou milhões de pessoas da miséria, mas ao mesmo tempo dizem que certa elite, a minoria da sociedade, quer tirar do poder os que estão no poder porque essa elite despreza os pobres, que são maioria do país. Ou seja, a pobreza ainda assola o país mesmo depois de mais de décadas de poder de quem agora está no poder. Tudo muito curioso.

“O impeachment é golpe”, bradam os defensores do poder. Curiosamente, estes defendiam o impeachment de quem ocupava o poder antes e aí não era golpe. Curiosamente, defendem que os políticos que eventualmente assumirem o poder devam sofrer impeachment, que então deixará de ser golpe.

Curiosamente, em um ato chamado “Mulheres em Defesa da Democracia”, ocorrido em Brasília, mulheres expulsaram, hostilizaram e quase bateram em outra mulher porque vestia uma camiseta com a frase “impeachment é democracia”. Curiosamente, a presidente de todo o povo brasileiro, e também mulher, concordou com a expulsão, em vez de chamar a cidadã brasileira para expor democraticamente seu ponto de vista, mesmo sendo contrário à presidente. A cerimônia acontecia no Palácio do Planalto e não em uma sede partidária.


“É a eterna contradição humana”, diz Deus ao Capeta no conto “A igreja do Diabo”, de Machado de Assis. Está muito difícil para mim, que ajudei a eleger em 2002 estes que estão até hoje no poder, compreender a atual situação. Como escreveu o poeta Affonso Romanno de Sant’Anna em outro momento da nossa história: “Estou confuso, obtuso,/com a razão em parafuso (...)”. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …