Avançar para o conteúdo principal

O verdadeiro mestre


Estou lendo, em uma edição em espanhol, o livro Lessons of the masters, de George Steiner. Há uma edição publicada pela Record, Lições dos mestres, porém esgotada, sendo que na Estante Virtual chega a ser vendida por proibitivos R$ 165.  Estou diante da obra de um grande mestre escrevendo sobre outros mestres, tanto se referindo a professores em relação a seus alunos quanto a sábios e seus discípulos.
Depois de citar os óbvios filósofos gregos, mormente Sócrates e Platão, passando também pelo inevitável Jesus Cristo, o livro aborda relações em que mestre e aluno acabam se envolvendo afetivamente, como Heidegger e Hannah Arendt. Também retrata as personagens da literatura que são mestres, como Fausto em relação a Wagner, seu criado e aprendiz, e aqui Steiner se detém mais na peça de Marlowe do que na de Goethe, ou o rato de biblioteca Causabon e sua aluna Dorothea, em Middlemarch, de George Eliot.
Como sou professor há mais de dez anos (tempus fugit), sou chamado de mestre por alguns alunos. Até tenho o título de Mestre em Letras, o que hoje já não vale muita coisa. Qualquer professor, no entanto, é mestre. O Houaiss nos informa que a expressão vem do latim magister, e significa aquele que manda, que dirige, que ensina, portanto até um bandido pode ser mestre.
O professor conduz o aluno à luz do conhecimento, ou assim pretende fazê-lo. Esse conhecimento, no entanto, pode ser para o bem ou para o mal. O mestre pode conduzir sua massa de alunos a seguir uma ideologia, a defender políticos corruptos tendo em mente atingir outros políticos igualmente corruptos. Pode conduzir o aluno a venerar uma entidade divina em detrimento a outras crenças. Pode também levá-lo a tão somente questionar e a partir daí tirar suas próprias conclusões. É a forma mais sensata.
Como professor de literatura, tento conduzir meus alunos a ler obras literárias relevantes, ou as que considero como tais. Tento conduzi-los a não ler superficialmente, entender as metáforas, as simbologias, as relações intertextuais. O mais difícil é despertar neles a paixão pelos livros, por mais que eu fale apaixonadamente sobre eles, por mais que eu leia empolgado um poema, por mais que mostre os encantos e mistérios de uma narrativa.
Acontece que o aluno não está ali porque quer. Ele não é um discípulo que procura seguir livre e literalmente os passos de Sócrates na sua atividade peripatética. Ele não está ali porque o conhecimento é algo relevante para sua vida. O professor, pelo menos no tempo que foge hoje, não tem a admiração dos seus alunos assim como os grandes mestres tinham de seus discípulos, a não ser quando o professor é um amigão, que faz o que eles querem para conquistá-los, inclusive deixar de ensiná-los.
O mestre que tenta ser reconhecido pela excelência do conhecimento transmitido sofre o desprezo, a indiferença, o desrespeito, com raríssimas exceções, claro. O verdadeiro mestre não deve iludi-los. Deve mostrar que o mundo não é como queremos, não é amigão, não faz nossas vontades. Sei que minha visão é trágica e pessimista, mas o verdadeiro mestre é quem destrói nossos sonhos e nos desperta.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …