Avançar para o conteúdo principal

O verdadeiro mestre


Estou lendo, em uma edição em espanhol, o livro Lessons of the masters, de George Steiner. Há uma edição publicada pela Record, Lições dos mestres, porém esgotada, sendo que na Estante Virtual chega a ser vendida por proibitivos R$ 165.  Estou diante da obra de um grande mestre escrevendo sobre outros mestres, tanto se referindo a professores em relação a seus alunos quanto a sábios e seus discípulos.
Depois de citar os óbvios filósofos gregos, mormente Sócrates e Platão, passando também pelo inevitável Jesus Cristo, o livro aborda relações em que mestre e aluno acabam se envolvendo afetivamente, como Heidegger e Hannah Arendt. Também retrata as personagens da literatura que são mestres, como Fausto em relação a Wagner, seu criado e aprendiz, e aqui Steiner se detém mais na peça de Marlowe do que na de Goethe, ou o rato de biblioteca Causabon e sua aluna Dorothea, em Middlemarch, de George Eliot.
Como sou professor há mais de dez anos (tempus fugit), sou chamado de mestre por alguns alunos. Até tenho o título de Mestre em Letras, o que hoje já não vale muita coisa. Qualquer professor, no entanto, é mestre. O Houaiss nos informa que a expressão vem do latim magister, e significa aquele que manda, que dirige, que ensina, portanto até um bandido pode ser mestre.
O professor conduz o aluno à luz do conhecimento, ou assim pretende fazê-lo. Esse conhecimento, no entanto, pode ser para o bem ou para o mal. O mestre pode conduzir sua massa de alunos a seguir uma ideologia, a defender políticos corruptos tendo em mente atingir outros políticos igualmente corruptos. Pode conduzir o aluno a venerar uma entidade divina em detrimento a outras crenças. Pode também levá-lo a tão somente questionar e a partir daí tirar suas próprias conclusões. É a forma mais sensata.
Como professor de literatura, tento conduzir meus alunos a ler obras literárias relevantes, ou as que considero como tais. Tento conduzi-los a não ler superficialmente, entender as metáforas, as simbologias, as relações intertextuais. O mais difícil é despertar neles a paixão pelos livros, por mais que eu fale apaixonadamente sobre eles, por mais que eu leia empolgado um poema, por mais que mostre os encantos e mistérios de uma narrativa.
Acontece que o aluno não está ali porque quer. Ele não é um discípulo que procura seguir livre e literalmente os passos de Sócrates na sua atividade peripatética. Ele não está ali porque o conhecimento é algo relevante para sua vida. O professor, pelo menos no tempo que foge hoje, não tem a admiração dos seus alunos assim como os grandes mestres tinham de seus discípulos, a não ser quando o professor é um amigão, que faz o que eles querem para conquistá-los, inclusive deixar de ensiná-los.
O mestre que tenta ser reconhecido pela excelência do conhecimento transmitido sofre o desprezo, a indiferença, o desrespeito, com raríssimas exceções, claro. O verdadeiro mestre não deve iludi-los. Deve mostrar que o mundo não é como queremos, não é amigão, não faz nossas vontades. Sei que minha visão é trágica e pessimista, mas o verdadeiro mestre é quem destrói nossos sonhos e nos desperta.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…