Avançar para o conteúdo principal

Sobre “The Sunset Limited”, de Cormac McCarthy


Quem me lê sabe que o suicídio me atrai. Como tema de estudo, claro, sobretudo na literatura. Outro assunto sobre o qual me debruço vez ou outra é o ateísmo. Disto sim eu sou adepto. Por isso me detive algumas horas deste dia de folga para ler a peça teatral, ou romance em forma dramática, “The Sunset Limited”, de Cormac McCarthy. (Vale acrescentar que a capa da edição norte-americana tem uma xícara de café, outra coisa que me atrai. E muito.)
Há tempos estava querendo ler a obra antes de assistir a adaptação de Tomy Lee Jones, um telefilme que conta com Samuel  L. Jackson no papel do negro e o próprio Lee Jones no papel do branco. Vou tentar assistir ainda neste fim de semana. Um filme obviamente pouco conhecido, pois não há ação e as cenas se passam todas em um único lugar e somente com dois atores. Um filme de ideias, se seguiu o original, e que por aqui recebeu o título “No limite do suicídio”.
A peça toda se passa no apartamento de um ex-presidiário recuperado e religioso fervoroso, denominado na rubrica apenas por “negro”. A seu lado, um professor ateu, cuja rubrica indica “branco”, que havia há pouco tentado se jogar nos trilhos do trem e foi salvo justamente pelo dono da casa, que não o deixa sair, receoso de que voltasse a tentar a se suicidar. O que se vê ao longo das 70 páginas é um sólido diálogo não só sobre a crença e a descrença, mas também sobre o altruísmo e o egoísmo, o otimismo e o pessimismo, a vida e a morte, a amizade e a solidão.
Eis alguns trechos, numa tradução livre. Logicamente, pela minha visão de mundo, acabei destacando as ideias de um dos personagens:

"BRANCO: A visão pessimista é sempre a correta. Quando lemos a história da humanidade, estamos lendo uma saga de derramamento de sangue, de cobiça e de loucura, cujo alcance ninguém pode ignorar. Ainda assim, imaginamos que o futuro será de alguma maneira diferente. Não tenho nem ideia de como estamos, mas o que é certo é que não vamos durar muito mais." 

“BRANCO: Você acha que minha cultura está me empurrando ao suicídio, não?
NEGRO: Pra você, por que você acha que as pessoas se suicidam?
BRANCO: Não sei. Por razões diferentes.
NEGRO: Ok, mas essas razões diferentes não têm algo em comum, digamos?
BRANCO: Não posso falar pelos outros. As minhas giram em torno de uma perda gradual da fantasia. Isso é tudo. Um lento esclarecimento quanto ao caráter da realidade. Do mundo.”

“BRANCO: Minha ideia é que o mundo, basicamente, é um campo de trabalhos forçados do qual a cada x dias retiram uns quantos internos (todos eles completamente inocentes) a fim de executá-los.”

“BRANCO: Eu não acredito em Deus. É tão difícil de entender? Olhe ao seu redor, cara. Você não vê? O grito indescritível dos que sofrem deve ser para ele o mais agradável dos sons.”


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…