Soneto do Datafolha


De repente o Datafolha tornou-se um tanto
Verdadeiro e certeiro para uma turma 
E das bocas partidárias a voz era só uma
E das mãos com nove dedos criou-se um santo.

De repente os dezessete por cento
Que para os olhos de alguns era uma trama
Agora aumentados é um sentimento
De que tudo é um mar de lama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se da justiça algo distante
E o corrupto ficou bem contente.


Fez-se da mentira uma constante
Fez-se do povo uma besta ambulante
De repente, não mais que de repente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu