Avançar para o conteúdo principal

Concerto em LAAB Maior


Allegro
Luiz Antonio de Assis Brasil foi violoncelista. Trocou o arco pela pena. Não o fizesse, talvez não conhecêssemos o grande artista. Assis Brasil seria um bem sucedido, porém obscuro músico como Julius, o protagonista de seu novo romance, O inverno e depois (L&PM, 348 páginas), mais uma obra pensada, estudada, preparada e bem executada pelo composi, digo, escritor gaúcho.  
Encontramos Julius esperando sua mala no aeroporto de Porto Alegre. Vindo de São Paulo, seu destino é a Estância Júpiter, onde nasceu, na fronteira com o Uruguai. Pretende estudar o Concerto em Si Menor, op. 104, de Antonín Dvořák, cuja execução é uma ideia fixa (“Tocar Dvořák poderia dar um sentido a sua vida”). A mala contém partituras e diferentes gravações do concerto, mas acaba se extraviando. É o primeiro percalço da viagem.
Adagio ma non troppo
Enquanto isso, a narrativa volta no tempo e em diferentes espaços para elucidar, aos poucos, as escolhas de Julius. Somos conduzidos a São Paulo, onde ele vive atualmente com a esposa Sílvia; passamos por Würzburg, na Alemanha, onde estudou, nos anos 80, numa importante escola de música, e onde encontrou um grande amor; e, mais remotamente, conhecemos o menino Julius na Estância Júpiter, com seu violino de brinquedo.
São as mulheres, no entanto, as personagens mais fortes e que moldam, de certa forma, a personalidade de Julius. A tia Erna, que o criou depois da morte trágica dos pais, é quem lhe ensina os primeiros passos da música clássica. A esposa Sílvia é o complemento racional do marido, cuidando inclusive das questões burocráticas relacionadas à parte da renda da distante estância que herdou. Agripina Antônia é a meia-irmã, que conhece apenas por fotos, e com quem teve que dividir a herança. Fruto do adultério de seu pai, Julius receia encontrá-la na estância. “Pois se irmãos-irmãos têm assegurados os alicerces desse afeto, já a atenção mútua que se devem os meio-irmãos exige cuidado em dobro a quem se acha em débito com a nobreza de seus próprios sentimentos.”
Na sua estada na Alemanha, Klarika Király é uma colega de estudos e primeira amante e a quem faz a promessa de tocar o concerto de Dvořák, apesar de um primeiro fracasso. A figura feminina mais importante, entretanto, é Constanza Zabala, uma uruguaia, estudante de clarinete, com quem vive uma intensa paixão, mas acabam se separando por um motivo inexplicável. Como a estância da família está próxima do Uruguai (“tal como ela dissera em Würzburg, apenas um rio nos separa”), não seria a possibilidade inconsciente de reencontrá-la o real motivo para a volta de Julius às origens?     
     Finale. Allegro moderato
A arte, em várias representações, sendo a música, por motivos óbvios, a mais destacada, costura as reflexões das personagens. Durante a viagem, Julius lê um romance em francês de Pascal Quignard, presente da esposa. Perto do final, uma jovem que conheceu na estância, a romântica Maria Eduarda, outra figura feminina de certa relevância, por simbolizar a inocência perdida pelo protagonista, pergunta o que ele está lendo:
“— O que diz aqui?
— Em por português é Todas as manhãs do mundo.
— Que bonito. É uma história de amor?
— Todos os livros são uma história de amor.”
O inverno e depois é uma história de amor à arte, à música, à literatura. É uma história de amor entre amigos, entre irmãos, entre homem e mulher. É uma história de amor entre o artista e a obra. É uma história de amor entre o escritor, o livro e o leitor. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…