Avançar para o conteúdo principal

Um belo rebento

Rebentar, primeiro romance de Rafael Gallo (Record, 328 páginas), tinha tudo, pela sua temática, para ser um romance piegas, sentimental demais, se tornar um best-seller e, por último, arrancar lágrimas na sua adaptação para o cinema. O autor, no entanto, optou por fazer literatura de verdade e, por conseguinte, não escolheu soluções fáceis ou um final previsível e mágico. É um romance que requer paciência e ao mesmo tempo uma imersão do leitor, caso queira desfrutar da arte literária.
Ângela é uma professora que deixou a profissão para ser única e exclusivamente, durante mais de 30 anos, a mãe de uma criança desaparecida. O pequeno Felipe sumiu quando tinha 5 anos, em uma galeria de lojas e nunca mais foi encontrado. Ângela, porém, manteve durante décadas a esperança de encontrá-lo, ajudada por uma ONG, denomina “Mães em busca”, porém se frustra, junto com o marido, Otávio, depois de cada falsa pista, de cada falso Felipe que aparece em algum abrigo. Uma dor incomparável: “Um filho desaparecido é um filho que morre todos os dias. Nem mesmo nas mitologias mais cruéis há tragédia equivalente; essa dor nenhum deus teve de suportar”.
Depois de muito refletir, no entanto, Ângela decide encerrar as buscas, decisão que acarreta mais problemas, desencadeia novos conflitos, dela consigo mesmo, dela com outras mães da ONG, cujos filhos também estão desaparecidos há anos, dela com a irmã, que não concorda com a decisão. Recebe, no entanto, o apoio do marido e da sobrinha, Isa, companheira de infância de Felipe, que cresceu com a sombra do desaparecido e agora revela estar grávida.
O “rebentar” do título aparece em muitos momentos. Ora o “rebento”, no sentido de filho, tanto o que desapareceu e o que está para nascer, ora o “rebentar em choro”, ora “as ondas rebentando nas rochas”. Esta talvez é a metáfora mais interessante. O vai e vem das ondas do mar batendo em algo sólido, que resiste, mas que com o tempo vai se desgastando. Assim é a vida de Ângela, em idas e vindas, sofrendo, entrando em depressão, porém, firme, mostrando mais firmeza ainda na desistência. Desistir de sofrer para renascer, rebentar novos frutos: “Sofrimento é só sofrimento, Regina, não há nada de edificante nele”. O leitor acompanha esse movimento das ondas, as repetições das reflexões, as mudanças de humor, as indecisões da protagonista e corre o risco de sofrer junto com ela. Risco bem medido pelo narrador.

Rafael Gallo, nascido em 1981, teve sua estreia em 2012, com o volume de contos Réveillon e outros dias, vencedor do Prêmio Sesc de Literatura. Rebentar já recebeu importantes premiações e vem confirmar seu nome como um dos mais relevantes atualmente. Como compôs Gilberto Gil, “Rebento, substantivo abstrato/ O ato, a criação, o seu momento (...)/ Tudo o que nasce é rebento/ Tudo que brota, que vinga, que medra”. Esperemos outros bons rebentos do autor.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …