Avançar para o conteúdo principal

Uma orgia com Alberto Mussa


Júlio Nogueira saiu um pouco de sua reclusão, criou perfis em redes sociais e um blog para divulgar suas críticas, mas logo depois se recolheu novamente. Trocamos, porém, impressões de leitura por e-mails, tendo em vista que abriguei no meu blog algumas de suas críticas, sem contar que também esboçou a minha “biografia precoce não autorizada”, publicada no site Digestivo Cultural. De seu sítio no interior de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, me pergunta se já terminei de ler Os contos completos, de Alberto Mussa (Record, 398 páginas). “Terminei a leitura há pouco”, respondi. Prosseguindo o diálogo via internet, perguntou-me o que achei e respondi que gostei muito.
“Pois olha, Cassionei”, ele escreveu, “sabes que os escritores brasileiros têm uma tendência a tratar somente do presente e, quando tocam no passado, não ultrapassam a barreira do século XX, com honrosas exceções, como a deste escritor. Quando leríamos algo sobre os índios brasileiros pré-Cabral ou relatos do tempo da colônia nas obras dos autores contemporâneos? Ele estende a linha temporal na narrativa brasileira, demonstrando ser um pesquisador, mas que não deixa de ficcionalizar, que é o que realmente interessa no âmbito literário. Aliás, ele deixa isso bem claro na sua poética ao comentar os contos. Que te parece?”
“Me chamou a atenção isso, mestre. E também a amplitude temática e geográfica. Do jogo do bicho na periferia carioca, passando pelos terreiros de umbanda e os traficantes, chega à cultura árabe e todo o seu imaginário, aterrissando também na África. Dos triângulos amorosos através dos tempos ao canibalismo dos indígenas, registra também reflexões sobre as linguagens, os jogos matemáticos, a circularidade, os crimes, o sobrenatural, etc. Vale ressaltar que ele reescreveu suas histórias publicadas no livro de narrativas Elegbara e desmembrou outras tantas de alguns romances. Modificou bastante as histórias e as recontextualizou, transformando num livro diferente dos outros, portanto sem sacanear o leitor, como fazem alguns escritores que reeditam os livros modificando-os, melhorando-os e renegando a edição anterior, fazendo assim com que o leitor que comprou a primeira edição se sinta lesado. Aliás, reescrevi dois contos meus do primeiro livro e os inseri no terceiro, que será publicado em breve. Aquele que o senhor não quis ler. Falando em ler, qual a impressão do senhor sobre o leitor Alberto Mussa?”
“Ele demonstra ser um exímio leitor, antes de ser escritor. Não reluto em dizer que ele poderia ser o nosso Borges, não apenas por ser esse grande leitor, mas pela utilização de histórias, na maioria das vezes orais, de diferentes culturas, numa apropriação literária em que prevalecem os elementos fantásticos e os enigmas e jogos intelectuais. É na releitura de clássicos literários, porém, que ele atinge o máximo da capacidade criativa. ‘A trilogia homérica’, por exemplo, em que recria a volta de Ulisses para Ítaca, dessa feita localizando o enredo no Brasil do século XVI. Mussa, na nota explicativa, menciona, provocativamente, outra versão do mito, ‘que se lê num enfadonho romance irlandês’. Já as recriações de obras machadianas, em ‘A leitura secreta’ e ‘O princípio binário’, fecham, com o perdão do lugar-comum, com ‘chave de ouro’ o livro. O primeiro, em forma de ensaio, traz uma interpretação para o conto ‘A cartomante’. No segundo, um conjunto de manuscritos propõe uma solução espetacular para o enigma de Capitu. O tema do duplo, tão caro a Borges, bem como a loucura! ‘Mas chego à conclusão de que o horror ao próprio duplo é imanente à natureza humana. Isso talvez explique todo o drama da minha vida’, escreve a autora dos manuscritos. Jamais teria me passado pela cabeça uma interpretação dessa magnitude. Não sei você, mas segui a dica do narrador e reli o conto e os capítulos mencionados de Dom Casmurro.”
“Sim, também segui a dica. Veja que todos têm a presença do triângulo amoroso e entendo que a literatura também tem um pouco disso. É o autor, a obra e o leitor, num ‘movimento pendular’, que dá título à obra de Mussa que aborda somente esse tema.”
“E quando outros leitores se metem na leitura do outro, refocilamos em orgias, para parafrasear Drummond.”

“É uma ‘orgia perpétua’, mestre, segundo Flaubert.”

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …