Avançar para o conteúdo principal
Reproduzo o comentário do escritor Fernando Monteiro neste post do blog do Milton Ribeiro.

"Cassionei, obrigado pela notícia na Gazeta do Sul -- e pelo elogio. Milton, obrigado por repercutir a mensagem do Cassionei, e gentilmente enviá-la para o Recife. Sobre a pergunta de Cassionei ("O terceiro livro -- da trilogia Graumann -- seria lançado com os dois anteriores em uma caixa, sabes como anda esse projeto?"), eu esclareço a respeito do terceiro e último "Graumann": O livro iria ser lançado em 2008, dentro de "box" com o primeiro e o segundo volumes, porém a editora engajada nesse projeto (a Francis, que editou o Graumann 2, "As Confissões de Lúcio") fechou as portas, no final do ano passado. A Francis foi criada -- com o maior zelo -- pela Sônia Nolasco (jornalista, viúva do Paulo Francis) e pelo Wagner Carellli, uma das grandes cabeças "deste país", jornalista que criou a BRAVO e a REPÙBLICA, duas das melhores revistas brasileiras de cultura (em tempo: a BRAVO está irreconhecível hoje, nas mãos da Abril), e que resistiu como pôde, em sua luta, até 2005. Nesse ano, parece que Carelli resolveu entregar os pontos, jogar a toalha, desistir. A Francis continuou (tocada pelo Roberto Nolasco, irmão da Sônia), sempre "mal das pernas" -- porque era uma editora bem intencionada e empenhada etc -- até o final de 2008, quando foi absorvida pela Landscape, uma editora sem história até agora. Eu não gostaria de lançar por ela a Trilogia, e (para dizer a verdade) essa Landscape também não se mostrou muito interessada, principalmente pelo fato de serem TRÊS livros colocados no mercado de uma só vez etc. Aliás, esse "mercado" está bem mudado, e vem dando sinais alarmantes -- culturalmente -- nos últimos anos. EM TEMPO: Sobre esse assunto, eu iniciei uma série de três artigos, o primeiro dos quais acaba de ser publicado na edição de fevereiro do jornal literário RASCUNHO, de Curitiba. A segunda e a terceria partes do texto ("A Cabeça no Fundo do Entulho da Leitura") sairão nas edições de março e abril, e acho que, neles, os leitores do Cassionei, do Milton -- e de outros --, poderão encontrar os dados da desoladora situação que escolhi enfrentar como tema de palestra ("A Morte do Leitor") na recente Feira do Livro de Porto Alegre, realizada em novembro último. Abraço a todos,
FERNANDO MONTEIRO"

A resenha que escrevi aqui.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …