Avançar para o conteúdo principal
Texto que escrevi em homenagem ao meu primo que partiu aos 33 anos.

O nome Fabrício deriva da palavra fábrica. Pois quando lembro de ti, Fabrício, lembro disso:
Tu eras uma fábrica de risos. Quem te conhece sabe desse teu lado palhaço, brincalhão. Nas idas a Sapucaia para os encontros da família, eras um dos que puxavam as brincadeiras, a cantoria. Será uma voz a menos para cantar o Chico Mineiro “com calça e sem calça”.
Tu eras uma fábrica de seriedade. Sim, aquele mesmo cara brincalhão se tornava um sério pai de família, um filho responsável, um profissional dedicado. O mundo perde mais uma pessoa exemplar.
Tu eras uma fábrica de simpatia. Era aquela pessoa que fazia questão de cumprimentar todo mundo com entusiasmo, mesmo se conhecesse a pessoa há pouco tempo. Será um sorriso a menos entre nós.
Tu eras uma fábrica de música. O som do teu clarinete ou do saxofone deliciava a todos, como aconteceu na última Enfasa. Também ensinava aos jovens a magia das notas musicais e a serem artistas. Será uma melodia a menos nos nossos corações.
Tu eras uma fábrica de amor e amizade. Fabricaste nesta vida amigos aos montes. Encontraste o amor e também retribuíste o amor. Deste carinho e, da mesma forma, recebeste muito carinho. Como tu foste um exemplo de tudo isto, o mundo não perderá nenhum um pouco destas qualidades, pois terás imitadores aqui. Serás lembrado por tudo que fabricaste, no sentido de edificar. Como tu mesmo escreveste no Orkut, aproveitaste a vida, sabendo que ela era curta, e foi feliz. Por isso insisto na palavra vida. Os que tiveram a felicidade de te conhecer, sentem-se um pouco produtos desta fábrica, chamada Fabrício.

Comentários

Grazi disse…
Nossa! :O
Que lindo!

Prêmio para ti. Confira: http://origamibygrazeyann.blogspot.com/2009/02/premio-dardos.html

Beijo.
Diôni disse…
Belíssimo!

Parabéns, primo!

Fatos como esse me faz viver sempre, mesmo sem precisar de sustos na vida, muito bem cada minuto.
Diôni disse…
É melhor chamar de fato ou fatalidade?...
dora disse…
Muito Lindo!
Parabéns...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …