Avançar para o conteúdo principal
Quando me pedem uma “lista dos livros que não se pode deixar de ler”, tenho muito receio porque os gostos variam muito e o que é muito bom para mim, é uma porcaria para outro. Ao perguntar sobre Kafka ao Janer Cristaldo, por exemplo, ele me disse que o escritor checo “era um chato. Era um gênio, mas um chato.”
Também posso esquecer algum título e depois ficar me remoendo. Da mesma forma, a lista sempre será pequena, pois há muita coisa boa para ser lida. Fico com inveja dos leitores do século XIX, que tinham menos livros para ler!
Aí vai uma listinha pessoal, com inúmeras omissões. Se quiserem, meus poucos leitores podem acrescentar as suas listas nos comentários. (Coloquei alguns link para baixá-los, mas aviso que as digitalizações não estão bem revisadas.)

*Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago – leiam o livro antes de ver o filme! Passei mal!

*Relatos, de Júlio Cortázar – 4 volumes com os contos completos do Julio Cortázar.

*O processo, de Kafka – obra máxima!

*Ópera dos mortos, de Autran Dourado – me debrucei nesse romance para escrever minha monografia de conclusão do Curso de Letras.

*Antes do baile verde, de Lygia Fagundes Telles - tem o conto "Venha ver o pôr-do-sol", um dos melhores contos da literatura brasileira.

*Camilo Mortágua, de Josué Guimarães – emocionante obra do escritor gaúcho.

*Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis – obra máxima na literatura brasileira. Baixe aqui.

*Sobre heróis e tumbas, de Ernesto Sábato – perturbador ao extremo.

*O pirotécnico Zacarias, de Murilo Rubião – considerado por muitos o Kafka brasileiro.

*Luz de agosto, Willian Faulkner – mestre norte-americano.

*O lobo da estepe, de Hermman Hesse – todos temos um lobo escondido.

*Crime e castigo, de Dostoiévski – como podemos admirar um assassino de uma velhinha?

*Assim falou Zaratustra, de Nietzsche – se não quer ficar incomodado, não leia.

*Por que não sou cristão, de Bertrand Russell – o título diz tudo, se não quer questionar sua fé, não leia.

*Trilogia de Nova York, de Paul Auster – quem somos nós?

*Servidão Humana, W. Somerset Maugham – podemos deixar de servos da sociedade?

Comentários

Jorcenita disse…
*D. Quixote, Miguel de Cervantes Saavedra – a loucura do herói contrastando com o bom senso do escudeiro.
*Cândido, Voltaire – sátira à 'harmonia pré-estabelecida'.
*Cem anos de solidão, Gabriel Garcia Marques – drama durante a leitura, êxtase e agonia no capítulo final.
*O nome da rosa, Umberto Eco – um eco às questões da filosofia.
*Pergunte ao pó, John Fante – na calada da noite, ao acaso, tudo pode (não) acontecer...
Acrescentaria um livro que está na minha lista dos mais perturbadores: "Breviário de Decomposição", do anti-filósofo Emil Cioran. E algumas dezenas de poemas do Pessoa, o maior de todos.

Bela lista a sua. Kafka, Dostoiévski, Machado.. Só fera.

Abraço

PS: Estou te linkando, colega professor.
osmar bispo disse…
Simplesmente esta lista está muito boa. agora estava olhando ao lado direito do seu blog uma das suas preocupações são quanto os direitos autorais sei que é muito dolorosa para quem tem um blog colocar algum material que não seja seu as vezes fico num impasse mas sempre tem a questão de criamos somente uma mascara dentro dos nossos blogs e sites eu mesmo faça isso no meu portal. sei que ficamos entre fazer algo errado e o certo mais o importante é a divulgação buscando respeitar a criação dos outros isso é etico para qualquer blogueiro não ultrapassar a barreira e o desrepeito a obra aleia. Um
observação estou escrevendo uma serie de artigos sobre este assunto apartir de março no meu blog.
Cassionei Petry disse…
Estou alguns dias longe de casa. Valeu pela visita de todos ao blog. Continuem comentando.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …