Avançar para o conteúdo principal

Crônica

Esta crônica obteve Menção Honrosa no 1° Concurso de Crônicas da UNISC, Universidade de Santa Cruz do Sul, e foi publicada na coletânea Unisc, uma trajetória e muitas lembranças, em 2001.

O branco

Era a prova do professor Norberto. Literatura brasileira I. Qualquer movimento em falso e os olhos ágeis do mestre flechavam o desavisado que tentasse colar. A avaliação, sobre o Romantismo, não era difícil, porém, como toda prova bem elaborada, requeria concentração do aluno. O nervosismo, uma vez que era a prova final, ficava evidente na expressão de todos os colegas. Para muitos, um bom cigarro viria a calhar numa hora daquelas. Como não podiam fumar, o professor o fazia por todos, escorado na janela, mas sempre alerta!

Eu não estava conseguindo responder a questão que valia mais pontos. Me deu um branco, o famigerado branco. Você estuda, estuda, chega na hora e... nada. Você fica aflito, meu Deus, eu estudei tanto esta matéria! Relê a prova, vê se alguma questão ou outra resposta refresca sua memória, respira fundo, lê a questão mais uma vez, nada de lembrar, o branco toma conta de você, o papel é branco, a parede é branca, a tela do retroprojetor é branca, o cigarro do Norberto é branco, até o quadro verde fica branco, tudo, tudo, tudo branco...

Calma, calma. Para superar o branco precisamos de calma. Pensava então em alguma coisa positiva. A paz, por exemplo. Não, não, a paz também lembra o branco. Pensei no meu time, o Inter. Suas cores são vermelho e... Não, não. O melhor é voltar os olhos para a prova mesmo.

A agonia começou a crescer quando alguns colegas começaram a sair da sala, cada um mostrando um sorriso branco, pois a prova fora fácil. Era, sem dúvida, no entanto me fugia da mente a questão que poderia me dar uma nota dez.

O professor Norberto acendeu outro cigarro, mais livre agora, já que a sala estava ficando vazia, para olhar pela janela e devanear. Pensava, quem sabe, na sua musa, a Sônia Braga. Eu também, mais precisamente na cor do vestido que ela usava no filme “A moreninha”: branca. O branco, que no casamento significa pureza, para mim era desprezo, nojo, sujeira, qualquer coisa ruim que viesse na cabeça. O branco dentro de mim representava mais o ódio do que a paz. O branco.

O silêncio lembrava o poema de Adelaide Crapsey: (São três/Coisas silenciosas:/A neve que cai...) - olha o branco aí, gente! Os colegas que restaram pareciam ter também problemas em alguma questão, tal o ambiente que reinava na sala. Foi então que uma luz (branca) caiu sobre mim e eu gritei, sob o olhar espantado do professor:

- É Alvares de Azevedo, f. d. p!!!

Comentários

HAHAHA A crônica fez-me relembrar "bons" momentos; aqueles de agonizar à cadeira. Uma tortura.
Jorcenita disse…
Reli esta crônica algumas vezes...
mas certamente se tivesse que memorizar...daria branco.
Muito Boa!
shintoni disse…
Visitei seu blog e gostei muito do que você escreveu. Já estou acompanhando!
Por isso, gostaria de convidar você a participar do blog “Duelos Literários”, no qual as pessoas criam textos sobre temas de sua escolha e os textos são postados no próprio blog.
Passe por lá e, se gostar da proposta, participe!
http://duelosliterarios.blogspot.com/
Um abraço e parabéns pelo seu blog!
Cassionei Petry disse…
Shintoni, obrigado. Quando der mando um texto.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …