Avançar para o conteúdo principal

Vitória contra o racismo


Deu na Zero Hora de hoje
EUA
Vitória contra o racismo
Cidade americana famosa por ter sido palco de crimes raciais na década de 60 elege o seu primeiro prefeito negro

Para o americano James Young, sua vitória pode ser comparada a uma “bomba atômica da mudança”. Famosa por ser uma das cidades mais racistas dos EUA e por ter sido o palco de um triplo homicídio de ativistas dos direitos civis na década de 60 – crime que inspirou o filme Mississippi em Chamas –, Philadelphia, no Mississippi, sul dos EUA, elegeu esta semana o primeiro prefeito negro de sua história.

Possivelmente beneficiado por um “efeito Barack Obama”, Young, 53 anos, derrotou o atual prefeito, Rayburn Waddell, por uma diferença de apenas 46 votos. Aproximadamente 55% dos 8 mil habitantes da cidade são brancos, como Waddell.

– Eu não poderia imaginar isso nem em um conto de fadas. Quem poderia prever que um garoto do campo como eu se tornaria prefeito de Philadelphia? Principalmente levando em conta a forma como fomos tratados – disse Young à rede de TV CNN, derramando-se em lágrimas.

O prefeito eleito ainda recorda a época, durante sua infância, em que o grupo racista Ku Klux Klan atormentava seu bairro. Lembra também a imagem do pai segurando uma arma na sala, preparado para atirar contra qualquer um que ameaçasse a família.

Philadelphia – que não deve ser confundida com a cidade homônima mais famosa, no Estado da Pensilvânia – entrou para a história dos EUA em 21 de junho de 1964. Nesse dia, três ativistas dos direitos civis – James Chaney, 21 anos, negro, Andrew Goodman, 20, e Michael Schwerner, 24, ambos brancos – foram mortos a tiros pela Ku Klux Klan na entrada da localidade.

Young afirma que, hoje, passados quase 45 anos, alguns moradores ainda não votariam nele pelo simples fato de ser negro, mas acredita que esse número vem encolhendo cada vez mais à medida que o tempo passa.

– Temos alguns que jamais mudarão. É preciso conviver com isso – diz.

O prefeito eleito atribui a vitória à campanha corpo-a-corpo. Um dos primeiros alunos negros a estudar em um colégio branco em Philadelphia, ele foi paramédico e também é um líder religioso pentecostal.

Comentários

Augusto César disse…
isso não me deixa feliz, mas triste pois vairios humanos morreram para que um diferente se eleja. è por que o diferente o ou o não tão igual tem que sofrer tanto para poder ser aceito.
n a grandde maioria das vezes o diferente é melhor, olha o exemplo do LULA, do Obama, ou utra centena de lutadores uqe so conseguiram vencer por que outros milhares morreram para que todos sejam "Iguais"!!!
Cassionei Petry disse…
Não entendi teu ponto de vista.
lumenamena disse…
Apesar de Young ter ganho as eleições, penso que a questão do racismo/xenofobia nos EUA, é
uma bomba adormecida. Pode ser que esta eleição de Young seja fenómeno de mudança de mentalidades, e oxalá que assim seja. Se fôr somente o "efeito Barack Obama", parece-me
frágil, se não fôr acompanhado dessa mudança de mentalidades. Digo isto, porque recentemente ouvi numa televisão aqui em Portugal a notícia de que, a ilegalizada organização
racista/criminosa KKK, mantêm a sua sede numa cidade americana. Quando esta sede fôr definitivamente desmantelada é que eu começarei a acreditar que foi dado um grande passo para essa mudança.
lumenamena disse…
O que está em causa, no raciocínio do primero comentário, é a ACEITAÇÃO, que é o primeiro passo.
E por se estar a CUMPRIR com este primeiro passo, de aceitação, que foi possível a eleição do Young.
A exclamação final do primeiro comentário reporta-me ao SACRIFÍCIO, que só é possível com a força de VONTADE desses milhares, que enveredaram por uma LUTA.
O reverendo candidatou-se à MISSÃO, porque concerteza tem uma grande capacidade de PERDÃO.
Se todos estes conceitos estiverem na mesa da candidatura do reverendo Young, eu acredito que as coisas vão verdadeiramente mudar, pois se fôr sòmente "efeito Barack Obama", volto a dizer que é muito frágil para a solução do problema.
rogerio franco disse…
Entendo os comentários da Lumenamena, os quais têm implícita uma grande lição.
Mas também concordo com o prof. Petry quando diz não entender o ponto de vista do Augusto César. O que não compreendo é porque raio foi colocar ali o LULA no seguimento de um post, que tem a ver com luta pelos direitos humanos, vontade de justiça, e por todos os outros valores de que a Lumenamena fala!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …