Avançar para o conteúdo principal

Entendendo o cinema (os irmãos Lumiére)

Depois de uma conversa com uma aluna minha, a Katiele, apaixonada pelo cinema e que deseja conhecer a sétima arte desde seus primórdios, resolvi postar uma série de textos com links para baixar filmes clássicos ou assisti-los on-line. Vou usar bastante nesta empreitada textos do Wikipédia e outros sites, devido à falta de tempo para escrever (costumo pensar muito quando escrevo). Quando possível, escreverei alguma coisa, até porque tenho muito para comentar sobre as obras que estou assistindo.

Começando... do começo:

Cinema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O cinema (abreviação de "cinematógrafo", do francês cinématographe, composto dos elementos gregos κίνημα "movimento" e γράϕω "escrever") é a técnica de projetar fotogramas (quadros) de forma rápida e sucessiva para criar a impressão de movimento, bem como a arte de se produzir obras estéticas, narrativas ou não, com esta técnica. Compreende, portanto, uma técnica, uma forma de comunicação, uma indústria e uma arte.

Por metonímia, a palavra cinema também pode se referir ao conjunto de pessoas que trabalham na indústria cinematográfica, ou ainda à sala de espetáculos onde são projetadas obras cinematográficas.

A invenção da fotografia e sobretudo a da fotografia animada foram momentos cruciais para o desenvolvimento não só das artes como da ciência, em particular no campo da antropologia visual.

O cinema é possível graças à invenção do cinematógrafo pelos Irmãos Lumière no fim do século XIX. Em 28 de dezembro de 1895, no subterrâneo do Grand Café, em Paris, eles realizaram a primeira exibição pública e paga de cinema: uma série de dez filmes, com duração de 40 a 50 segundos cada, já que os rolos de película tinham quinze metros de comprimento. Os filmes até hoje mais conhecidos desta primeira sessão chamavam-se "A saída dos operários da Fábrica Lumière" e "A chegada do trem à Estação Ciotat", cujos títulos exprimem bem o conteúdo. Apesar de também existirem registros de projeções um pouco anteriores a outros inventores (como os irmãos Skladanowski na Alemanha), a sessão dos Lumiére é aceita pela maciça maioria da literatura cinematográfica como o marco inicial da nova arte. O cinema expandiu-se, a partir de então, por toda a França, Europa e Estados Unidos, através de cinegrafistas enviados pelos irmãos Lumière, para captar imagens de vários países.

Eis os primeiros filmes do cinema, de 1895:

La Sortie de l'usine Lumière à Lyon (A Saída da Fábrica Lumière em Lyon)

L'Arrivée d'un train en gare de la Ciotat (Chegada de um Comboio à Estação da Ciotat)

Le Déjeuner de Bébé (O Almoço do Bebé)

L'Arroseur arrosé (O "Regador" Regado) e outros


Comentários

InarA disse…
Olá..Gostei de ver cinema nas suas (e das fontes) palavras!
não comento muito mas sempre que dá, passo por aqui.
Adoro visitar meus amigos blogueiros.
Quando puderes:
http://inariando.blogspot.com
Cassionei Petry disse…
Sempre te visito também, teu blog está nos links, abração.
lumenamena disse…
Os objectivos dos Irmãos Lumière, não eram meramente materiais (como foi o caso da indústria automóvel), uma vez que se dirigia aos domínios do pensamento e dos sentimentos e, através deles, ao âmbito das grandes decisões sociais e políticas.
Abraços!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …