Avançar para o conteúdo principal

Eva e Pandora (ou A boceta e a maçã)

Eva e Pandora (ou A boceta e a maçã)
por Cassionei N. Petry

É curiosa a semelhança entre dois mitos bastante difundidos, sendo que um deles é visto como verdade absoluta por muitas pessoas.

O primeiro mito é da antiguidade grega: a Caixa de Pandora. Ela teria sido a primeira mulher criada por Zeus como, vejam só, castigo para os homens, pois o titã Prometeu roubara o fogo do Olimpo. O deus mais poderoso do panteão grego a presenteou com uma caixa, porém, com a ordem de não abri-la. Logicamente, como toda mulher, que é muito curiosa, ela não respeitou a proibição. Como consequência, de dentro do recipiente saíram todos os males lá guardados. Ou seja, quem é a culpada pelas coisas ruins do mundo? A mulher. Mas isto, veja bem, é o mito que diz.

A outra história é mais conhecida, pois está na Bíblia Sangrada, digo, Sagrada, mais precisamente no Gênesis. Neste mito, Deus fez Adão e depois, para que ele não ficasse sozinho, criou, a partir da costela dele, uma mulher, a qual foi chamada Eva. Aos dois foi ordenado pelo criador que não comessem o fruto da árvore do conhecimento. Pois a mulher, agora provocada por uma cobra falante, vai lá e come o fruto. Como se não bastasse, oferece a Adão, que, como todo o homem obediente a mulher, também come. Visto que era um alimento desconhecido para eles, Adão acaba engolindo o caroço, resultando no chamado Pomo de Adão. O resultado dessa desobediência: o pecado entra no mundo. Mais uma vez, a mulher é a culpada.

O mais curioso são as simbologias por trás disso tudo. Basta procurarmos o significado da palavra “boceta” no dicionário para sabermos que ela significa uma caixinha oval, que aparece inclusive em muitos textos de Machado de Assis, e era utilizada para guardar rapé.

"Dizendo isto, despiu o paletó de alpaca, e vestiu o de casimira, mudou de um para outro a boceta de rapé, o lenço, a carteira..." (MACHADO DE ASSIS em O Empréstimo)


Essa palavra acabou, pela analogia com o seu formato, talvez, sendo sinônimo do órgão sexual feminino no Brasil. Em Portugal ela é ainda utilizada, tanto que o mito grego da primeira mulher lá é chamado de “Boceta de Pandora”. Inclusive é a tradução para o título do filme alemão Die Büchse der Pandora, de 1929, dirigido por Georg Wilhelm Pabst. Bem, se pensarmos que ela abriu a boceta...

Quanto ao mito bíblico, não há menção no Gênesis de que o fruto fosse uma maçã. Mas porque essa fruta acabou ganhando a fama, e aparecendo em várias pinturas que retratam a história? Bem, imaginemos uma maçã cortada ao meio. Ela lembra justamente a vagina de uma mulher com as pernas abertas. E se Eva deu a maçã para Adão comer...

Comentários

M disse…
Cômico!
*relembrando aulas de Filosofia*
Cassionei Petry disse…
Só não espalha que eu falo (opa!) sobre essas coisas em sala de aula, hehe.
Potira disse…
Adorei o texto!!!

Genial...


=D

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …