Avançar para o conteúdo principal

A irmandade da leitura


Crônica de Moacyr Scliar, na ZH deste domingo:

Numa época, era costume, entre alguns grupos de jovens, andar com um livro sob o braço. Era o que se chamava ironicamente de cultura de sovaco, e tinha uma dupla finalidade: ter sempre algo disponível para ler na fila do banco, ou na parada do ônibus, ou na lanchonete. Servia também para identificar o portador do livro como membro de uma irmandade: a irmandade da leitura, formada por aquelas pessoas que veem no texto uma privilegiada porta de acesso ao mundo em que vivemos. E que são ajudadas por esta peculiaridade da anatomia humana, que é a conformação da axila. O sovaco não é bem algo do qual possamos nos orgulhar; jamais alguém dirá de um homem algo como: Que belo sovaco ele tem!. Ao contrário, a axila é a principal fonte do CC, o Cheiro de Corpo, que faz a alegria da poderosa indústria do desodorante. Mas, humilde como é, o sovaco revelou-se, para a literatura, um abrigo ideal. A tarefa de levar o livro fica consideravelmente simplificada, porque as mãos ficam livres. Além disso, o sovaco fica perto da intimidade do corpo, do coração que bate mais forte com as emoções da leitura, dos pulmões, que nos lembram a inspiração, literária, inclusive.
As pessoas que fazem parte da irmandade da leitura reúnem alguns característicos especiais. Em primeiro lugar, têm uma necessidade quase orgânica, quase visceral do texto; seu olhar só encontra tranquilidade e alegria quando pousa na página impressa, em geral de um livro, mas pode ser também um jornal, uma revista, uma bula de remédio – qualquer coisa para ler. Essas pessoas também têm uma atração irresistível por livrarias. Podem estar atrasadas, a caminho de um compromisso urgente, mas se passarem por uma livraria entrarão, e muito provavelmente sairão de lá com um livro (talvez no sovaco). E por último, mas não menos importante, essas pessoas ficam felicíssimas quando alguém, numa roda de conversa, pergunta: “Vocês já leram o último livro do...” Não importa o autor, ou a autora, não importa o título do livro; o que importa é que alguém vai falar em literatura, identificando-se, portanto, como membro da irmandade da leitura.
Muitas vezes a irmandade se institucionaliza sob a forma, por exemplo, de oficinas de leitura ou de grupos de leitura, atualmente muito comuns. Isto não tem impedido que algumas pessoas mostrem-se apreensivas em relação ao futuro do livro. Por causa das novas técnicas eletrônicas que, dizem, vão mudar o objeto chamado livro. A mim, particularmente, isso não preocupa. Há uns meses vi, no aeroporto de Chicago, um rapaz com o Kindle, aquele dispositivo eletrônico que permite baixar textos à distância. Ele carregava-o sob o braço. Nas axilas dos verdadeiros leitores há lugar para todas as aventuras do intelecto humano.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …