Avançar para o conteúdo principal

3964, 24, 666

Sobre esses números que circulam pela internet, as pessoas pegam alguns que fecham, mas nem sempre dá certo. Uma “teoria” que existe é a seguinte:

O Brasil venceu a copa do mundo em 1994.
Antes, ele havia vencido em 1970.
Somando-se 1970 e 1994, o resultado é 3964.

A Argentina venceu sua última copa do mundo em 1986.
Antes, ela havia vencido em 1978.
Somando-se 1978 e 1986, o resultado é 3964.

A Alemanha venceu sua última copa do mundo em 1990.
Antes, ela venceu em 1974.
Somando-se 1990 e 1974, o resultado é 3964.

O Brasil venceu a copa de 2002. 3964 - 2002 = 1962, copa vencida pelo Brasil.

Na copa de 2006, portanto, o Brasil iria ganhr (3964 - 2006 = 1958), só que deu Itália.

Nesse ano daria Alemanha: 3964 – 2010 = 1954, ano em que ela foi campeã. E segue:

2014 – A copa de 2014 será disputada no Brasil. 3964 menos 2014 é igual a 1950.
Quem sediou a copa de 1950? O Brasil.
E o campeão? O Uruguai…
2018 e 2022 – Diminuindo 3964 desses anos, temos respectivamente 1946 e 1942, anos em que não houve copa do mundo devido à Segunda Guerra Mundial. Não apenas não dá para saber quem será o campeão. Pode nem ter copa. Será uma Terceira Guerra Mundial?
2026 e 2030 – a Itália conquista dois títulos seguidos, chegando ao penta. Fazendo as contas, temos 1938 e 1934.
2034 – Uruguai tetracampeão. Diminuindo 3964 de 2034 temos 1930.
2038 em diante – não existia Copa do Mundo antes de 1930, então a conta não funciona mais. Tudo volta ao reino do desconhecido, até que inventem outra fórmula.


Outra “teoria” é do número 24, pois os grandes times não ficariam 24 anos sem ganhar nada. O Brasil ganhou em 70 e depois de 24 anos, em 1994, ganhou o título, assim como a Itália ficou desde 1982 sem título e foi ganhar em 2006. Nesse caso, a Argentina venceria neste ano e Alemanha em 2014. Já furou.


Mas o curioso sobre números foi em 2006. Essa “teoria” foi criada por mim (portanto você não vai encontrar na internet) e acabou dando certo. Mencionei a alguns alunos na época, portanto, há testemunhas. Eu disse que o Brasil não seria campeão devido ao número 6, porque o Brasil (6 letras) buscava o 6º título no ano 06. Afirmei antes do jogo contra a seleção francesa, brincando, que não venceríamos, pois a França tem 6 letras e quem faria o gol seria um jogador com 6 letras no nome (pensei no Zidane, que era o craque do time, mas errei). Perdemos com um gol do jogador Thierry Henry (12 letras no nome), cuja camisa era a 12 (6+6), isso aos 12min do segundo tempo, por culpa do Roberto Carlos, camisa 6. Quando mencionei isso em aula, um aluno acrescentou: “e ele estava arrumando a meia (6)”.

E mais: eu disse que na final seriam dois times com 6 letras no nome. Deu França x Itália. Quando se confirmou essa final, eu disse que iria ganhar a “azzurra”, em um resultado arranjado, devido aos escândalos envolvendo compra de resultados no campeonato italiano que resultou até em rebaixamento de grandes times. Seria uma forma de levantar a moral do país que investe milhões no futebol. Sem o título, o futebol italiano entraria em decadência. Não deu outra: ganhou a Itália (6 letras), por culpa do Zidane (6 letras) que deu uma cabeçada no peito do adversário (cabeça tem quantas letras?).

Lembrando que 666 é o número da Besta na Bíblia, mas aí é assunto para outro post.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …