Avançar para o conteúdo principal

O salvador da humanidade

Cassionei Niches Petry

Suas idéias influenciam o mundo até hoje, séculos depois de sua morte, tanto que a história do pensamento se divide em antes e depois dele. Vindo de uma família humilde, pouco se sabe sobre sua infância e adolescência, visto que ele aparece para a história já na idade adulta, difundindo seus ensinamentos. Usava roupas simples, pois não se preocupava muito com a aparência, e andava muitas vezes descalço. Não deixou nada escrito, pois tudo que sabemos sobre seu pensamento foi através do que escreveram os discípulos que o seguiram, por isso muitas pessoas até duvidam da sua existência histórica.

Entre as suas ideias estava a de nos trazer a luz, nos tirando da escuridão. Para ensinar a seus seguidores, dialogava com eles caminhando pelas ruas da cidade. Quando falava, todos o escutavam. Afirmava que uma voz o orientava. Umas das poucas coisas que o irritavam eram os mercadores do saber. Apesar de difundir a paz, foi condenado à morte por enfrentar os poderosos da sua época, sendo que havia, entre seus amigos, traidores que o entregaram. Aceitou a morte como parte de sua missão. Mas antes se reuniu com seus seguidores, comendo, bebendo e deixando-lhes suas últimas palavras. Ainda mencionou a um deles, enigmaticamente, algo sobre um galo.

Muitos acreditam, e me incluo entre eles, que a humanidade se salvará se seguirmos seus ensinamentos. Afirmava que devemos olhar para dentro de nós mesmos, buscarmos as respostas que estão escondidas nos desvãos de nossa mente. Lembrando a profissão da sua mãe, se dizia parteiro, não de pessoas, mas de ideias. Fazia com que seus discípulos, através de várias perguntas e respostas, “dessem à luz” o saber de que estavam “grávidos”. Por isso palavras e expressões como “iluminado”, “lucidez”, “esclarecer”, “às claras”, etc. estão relacionadas ao conhecimento e à razão. Os filósofos franceses no século XVII, por exemplo, fundaram o Iluminismo e denominaram sua época de “Século das Luzes”.

Ele também contribuiu para surgimento dos nossos valores morais. Saber o que é certo e errado, bem e mal, justo e injusto. Ele não só nos ensinou isso, como sua vida foi exemplo do que ensinava. Para ele, a ética tinha a ver com a virtude e o homem virtuoso é aquele sabe o que é o bem. O que pratica o mal é porque ignora seu significado, por isso a virtude é uma qualidade que pode ser ensinada. Tudo através do uso da razão.

Utilizou-se ainda da ironia, dizendo não saber nada, para depois mostrar que na verdade seu interlocutor é que era o ignorante. Ele tentou nos mostrar os caminhos para se chegar às verdades, não a uma só verdade absoluta. O farol que guia a embarcação, a luz no fim do túnel. Essa luminosidade nada tinha de sobrenatural e sim estava dentro de cada um. Muitos, porém, eram cegos e surdos, ou fingiam ser, mesmo para ver e escutar o seu interior.

Era um santo, um sábio, um mártir. Morreu para se tornar imortal. E todos aqueles que o seguirem podem não se tornar imortais como ele, mas saberão encarar a morte, viverão melhor e salvarão o mundo da imbecilidade.

O nome dele? Sócrates.


Comentários

Robson Duarte disse…
Eu sabia que não era o Goku.
Mirella disse…
HAHA Só de ler o título e o primeiro parágrafo, já pensei: Sócrates. E era mesmo... Boa, psor! Se sair no jornal, aguarde não por chuvas, mas por temporais de canivete!
Cassionei Petry disse…
Estes textos que não são sobre livros eu mando para a editoria de opinião, mas há tempos eles não publicam. Por que será?
rayssa gon disse…
vc vai acreditar que usei a mesma "tática" desse post no meu ultimo ???

muito foda! :)

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…