Avançar para o conteúdo principal

Filosofices de segunda


Às vezes acho que sou um vidiota. Assisto bem pouco à TV. Aliás, dificilmente me sento no sofá com a família para isso, o que me faz ganhar alguns puxões de orelha da patroa, por ficar pouco com ela e minha filha. Mas como o aparelho está sempre ligado aqui em casa, acabo indiretamente assistindo, seja ouvindo aqui do meu cantinho de leitura ou nas idas ao banheiro.

No domingo, temos um circo de horrores na grade televisiva e um dos grandes responsáveis por isso é o Gugu. Ontem, por exemplo, foram dedicados uns bons minutos para a mulher que tem o maior par de seios do Brasil e as agruras pelas quais ela está passando a partir dessa bizarrice. Durante os trechos que ouvi, ela dizia “estar orando”, “pedindo a Deus”, e que outras pessoas estariam nessa corrente de fé em seu favor. Claro que os religiosos, por sua limitação de inteligência nesses casos (leiam bem, estou escrevendo nesses casos), não se questionam por que motivo esse “Deus” deixou a pessoa em um estado lastimável de saúde e agora pode ajudar a resolver o problema. Mas o cômico de tudo, em se tratando de um programa da Record do Reino de Deus, e depois de a entrevista invocar várias vezes a fé da moça, é que a matéria fechou com a música “Imagine”, de John Lennon. Para quem não conhece minimamente a língua inglesa, pode não estar entendendo o que há de engraçado nisso. Mas deem uma lida nos versos traduzidos da 2ª estrofe:

Imagine não existir países

Não é difícil de fazê-lo

Nada pelo que lutar ou morrer

E nenhuma religião também

Imagine todas as pessoas

Vivendo a vida em paz

Preciso acrescentar alguma coisa, digníssimos leitores? Sobre essa música já relatei um caso parecido aqui no blog.

Outro momento em que assisto alguma coisa é antes de dormir. Ontem, vi um programa que o Luciano do Valle apresenta junto com a sua esposa na Band aqui do Rio Grande do Sul. Falando sobre a sua virtude em narrar, ele disse que só pode ser de Deus e explicou o motivo de ele pensar assim. Quando tinha 6 anos, ele brincava de narrar, mesmo, segundo ele, sem nunca ter escutado rádio. Acreditam nisso? Me lembrei da minha história pessoal, também já relatada aqui no blog, de como aprendi a ler sozinho. Eu juntava as letras de todas as palavras que via (inclusive os nomes dos candidatos na propaganda eleitoral) sem nenhuma ajuda e não sei nem mesmo como conhecia as letras do alfabeto. Seria coisa de Deus? Devo me converter? Cartas para a redação.

Para não dizer que não falei da Globo, há pelo menos uma cabeça lúcida que trabalha lá em meio a novelas espíritas e apresentações de padres cantores: Chico Anysio. Talvez até por ser muito crítico não dão mais tanto espaço para ele. Leiam o que escreveu no seu blog:

DEUS? QUE DEUS?

Mas e então? Que Deus é este que deixa que morra um menino de 18 anos, à espera de começar seu caminho na vida e deixa vivo e solto o animal que o atropelou, o débil mental que faz de um tunel uma pista de corrida e simplesmente arranca da vida um ser bonito, jovem, ansioso por começar a viver, filho de uma mãe maravilhosa, como colega, como amiga e como pessoa? Para onde Deus estava olhando quando isto aconteceu? Para onde ele olha enquanto negras magérrimas juntam areia a um pouco de água suja e dão para seus filhos na esperança de o salvar? Não é Ele que tudo sabe e que tudo vê? E como não vê o eterno inferno em que vivem judeus e palestinos por causa de dois palmos de terra? Deus é onipresente? E quando o Bruno matou ou mandou matar a mulher que lhe dera um filho e dele desejava o dinheiro suficiente para a criança sobrevier? Deus é onisciente? Então ele sabia que o Rafael teria que morrer naquele dia, naquela hora e daquele modo. Sendo assim, meus amigos eu deixo à disposição de todos a minha parte de Deus porque se Ele tem e é tantos “onis” e o mundo está como está, eu prefiro ficar sozinho.

Mas confesso: algum tempo atrás eu ficaria feliz ao ver o pessoal aqui de casa deixando de assistir à Vênus Platinada. Hoje, no entanto, fico triste ao ver que a Record está tomando o posto de preferida. O Bi$po agradece.



Comentários

Mirella disse…
Adoro essas imagens. Há um site só para elas: http://www.motivatedphotos.com
Bom post, psor!
Anónimo disse…
reforço que curto seus textos ! muito bom !

abs

Renato Miranda
Cassionei Petry disse…
Valeu, Mirella.
Bah, Renato, finalmente comentando no meu blog, hein? Valeu.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…