Avançar para o conteúdo principal

Carver e Giannetti

68 cenas da vida

“Eu consegui enxergar as menores coisas”, título de um dos 68 contos de Raymond Carver, (Companhia das Letras, 712 páginas, tradução de Rubens Figueiredo), pode resumir o fazer literário desse grande escritor das pequenas coisas. Não é à toa que o cineasta Robert Altman chamou de Short Cuts (no Brasil com a adição da expressão Cenas da vida) o filme baseado em histórias do autor.

A coletânea reúne quase a totalidade da obra do americano Raymond Carver, que nasceu em 1938. Teve uma vida conturbada, casou cedo, trabalhava em empregos que mal sustentavam a família, enquanto produzia paralelamente sua literatura. Além de problemas com o consumo excessivo de álcool, o cigarro o levou à morte em 1988, com apenas 50 anos.

A vida de pessoas simples de pequenas cidades, os costumes tipicamente americanos e os dramas humanos são alguns temas presentes na obra de um escritor rotulado de “minimalista”.

De certa forma, a leitura em conjunto dos livros do autor nos permite perceber as mudanças no estilo de Carver, principalmente no volume Do que estamos falando quando falamos de amor, quando entra em cena o editor Gordon Lish, que teria modificado a forma de Carver escrever, sugerindo muitos cortes.


Auto-engano e A origem

Lendo o livro Auto-engano (Companhia de Bolso, 256 páginas), de Eduardo Gianetti, me deparei com um trecho que tem a ver com o filme “A origem”. Escreve o filósofo: “No engano por desinformação ativa, a ilusão é positiva. A discrepância entre a realidade e a aparência consiste em induzir um organismo a ver coisas, a formar imagens deturpadas ou a distrair-se momentaneamente.”

No livro de Gianetti, ele está se referindo a artimanhas usadas por animais para sua sobrevivência. No filme, é um recurso usado por homens para roubar informações. Sem eufemismos, é a mentira...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …