Avançar para o conteúdo principal

O que faz as pessoas seguirem uma religião?

(Trecho do romance que estou escrevendo. Dois personagens são ateus, sendo que um deles escreve um blog e debate em redes sociais na internet sobre ateísmo. O texto é a fala desse personagem em um debate na universidade em que estuda.)

O que faz as pessoas seguirem uma religião? Já pararam para pensar sobre isso? Qual é o ponto de partida? Elas nascem com isso?

A resposta mais frequente é: “porque minha família segue essa religião”. O que nos provoca outra pergunta: “e por que sua família segue essa religião?

Para provocar ainda mais, proponho um exercício de imaginação. Se você tivesse nascido em outro país, com uma cultura diferente e cuja religião predominante é diferente? Será que seguiria a mesma crença? E se nascesse no seio de uma família que não acreditasse em um deus, você acreditaria nele?

Quando a pessoa fica acuada com essas questões, ela prefere responder que “tem um lado espiritual independente de qualquer religião”, expressão que se popularizou nos sites de relacionamento da internet. Então esse lado espiritual surgiu do nada? Lógico que não. Nasceu de um processo de questionamento. É um passo para a descrença, talvez, não fosse a necessidade pessoal de crer ou a pressão da sociedade para crer.

Não estou com isso querendo destruir nenhuma crença, mas mostrar que ela é um atributo pessoal do ser humano e não deve ser imposto a outros. Querer impor sua “verdade” é desrespeitar o seu semelhante e o respeito é uma dos fatores da ética que devem ser mantidos para o convívio na sociedade.

Comentários

Mirella disse…
Seria esse um desabafo? Parte dele?
Muito pertinentes essas colocações, caro colega professor. Acredito que a crença em um deus é parte da natureza humana e tem a ver com a ideia (falsa!) de que somos especiais e de que tem "alguém lá em cima", cuidando de nós. Pura ilusão! Não temos nada de especial. No contexto do Universo em que vivemos, se uma marquise desabar em cima de minha cabeça e eu morrer, ou se uma borboleta for comida por um passarinho, tais eventos terão o mesmíssimo grau de importância, ou seja, nenhum!
Já está mais do que na hora de as pessoas se darem conta do quanto têm sido enganadas, desde sempre. Buscar a verdade nada tem a ver com buscar a deus. Deus é só mais um amigo invisível, só que desta vez para os adultos.
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário, Evandro.
Gelso Job disse…
A propósito Cassionei. Sugestão para confecção de camiseta com um banner muito bacana com a temática do ateísmo:
http://miltonribeiro.opsblog.org/2011/05/09/alguns-negam-que-haja-perseguicao-aos-ateus-porem/
Cassionei Petry disse…
Só que a frase é um pouco ofensiva.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …