Avançar para o conteúdo principal

Textículos (VIII)

Agora é tarde demais. Ele está nas últimas horas de vida, sem possibilidade de voltar. Não há mais nenhuma chance de ela pedir perdão. Fez o que fez, já era. Somos uns imbecis, os humanos, não aproveitamos o tempo presente, não avaliamos o passado e esquecemos o que pode acontecer no futuro. Ele bem que avisava, mas ela ignorava. Seu orgulho, a vontade de sair sempre por cima, ter sempre a razão, tudo isso estragou a vida de ambos. Adianta agora se arrepender?

Comentários

Mirella disse…
Aumentou os meus níveis de angústia.
Cassionei Petry disse…
A literatura serve pra isso.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

"Cacos e outros pedaços" no Caderno de Sábado do Correio do Povo

O lançamento do meu livro na semana passada teve divulgação no Caderno de Sábado do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre.