Avançar para o conteúdo principal

Traçando livros de hoje

(Nos próximos meses, a coluna sairá apenas uma vez por mês. Aqui no blog, no entanto, a regularidade das resenhas permanecerá e estou pensando até em escrevê-las semanalmente.)

Os escritores também falam

A entrevista pode ser considerada um gênero literário, se for bem conduzida e com respostas que fujam do senso comum. Há, nesse caso, uma parceria entre entrevistado e entrevistador, ambos escolhendo as palavras com olhar artístico. Exemplo disso tivemos recentemente nas páginas da Gazeta do Sul: a arte bem feita do Romar Beling em dueto com Carlos Nejar. O jornalista é mestre no assunto, mas não bastariam suas indagações pertinentes se não fossem as ótimas respostas do poeta. A curiosidade do leitor, por sua vez, completa o quadro.

Alguns exemplos clássicos desse gênero estão sendo publicados no livro As entrevistas da Paris Review – volume 1 (Companhia das Letras, 459 páginas). A revista foi fundada por escritores americanos que viviam na capital francesa, nos anos 50, com o intuito de publicarem suas poesias e ficções. O primeiro sabatinado foi E. M. Forster. De lá pra cá, vários nomes importantes do cenário literário mundial deram seus depoimentos à revista, cuja sede agora fica nos EUA.

O que diferencia as entrevistas da Paris Review de outras publicações é o tom de conversa informal que leva o escritor a falar sobre a sua intimidade, não a pessoal, mas a do dia a dia da criação literária, seus rituais e manias. Talvez a mais famosa dessas entrevistas tenha sido a concedida por William Faulkner.

O autor de O som e a fúria relata que não tem um ritual excêntrico para escrever: “o único ambiente de que o artista necessita é qualquer paz, qualquer solidão” e “as ferramentas de que preciso para o meu negócio são papel, fumo, comida e um pouco de uísque”. Tornou-se clássica sua resposta com relação à inspiração: “Noventa e nove por cento de talento... noventa e nove por cento de disciplina... noventa e nove por cento de trabalho”, afirmou o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1949.

Dos escritores contemporâneos e sobre seus hábitos de escrita, destaco as entrevistas com Paul Auster, Ian McEwan e Javier Marías. O primeiro tem hábito de escrever à mão, com caneta tinteiro e, às vezes, a lápis, em cadernos. “Teclados sempre me intimidaram”, afirma. McEwan, por sua vez, diz que o computador “é como um amigo íntimo, a conversa flui melhor”. Já o escritor espanhol escreve à máquina. “Nunca coloquei minhas mãos num computador, mas me disseram que facilitaria muito a minha vida”.

Curiosidades à parte, o volume traz o pensamento de mestres da literatura universal, gente do porte de Borges, Hemingway, Doris Lessing e Primo Levi falando sobre a angústia da criação, a paixão pelos livros e sobre suas vidas dedicadas à literatura. Obra para ser consultada como um livro sagrado, contendo os ensinamentos dos grandes mestres.

Cassionei Niches Petry é professor e mestrando em Letras, com bolsa do CNPq. Sonha um dia ser entrevistado pela Paris Review. Escreve quinzenalmente para o Mix e mantém o blog cassionei.blogspot.com.

Comentários

Gostei dessa resenha quero muito ler essas entrevistas...


Abraço!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …