Avançar para o conteúdo principal

Frustrações literárias

Assisti ao filme You Will Meet a Tall Dark Stranger, do mestre Woody Allen. Gostei particularmente de um dos personagens, um médico que abandonou a profissão para se dedicar a escrever – aliás, sempre me chama a atenção qualquer filme que tenha um escritor como personagem. Autor de um romance de sucesso, ele tenta desesperadamente emplacar outro, mas suas tentativas são frustrantes. Seu último trabalho está nas mãos do editor. Espera ansiosamente por uma resposta que, quando chega, mais uma vez o decepciona.

Da mesma agonia eu tento fugir nos últimos meses. Há dois originais meus com editores. Meu livro de contos está com um editor local, um grande amigo dos círculos literários, esperando seu lugar ao sol (sei que é um lugar-comum, mas é o que vem a calhar agora). Esperava ser publicado no início desse ano, mas, ao que tudo indica, não virá à luz nem esse ano ainda. Tento esquecer que ele existe e sigo escrevendo meu romance.

Já meu livro infantil, mandei-o para uma grande editora nacional. Resolvi arriscar. Como a resposta demora – um sim ou um não –, tento esquecer que o livro foi enviado, para não viver a mesma agonia do personagem do Allen. É difícil.

Comentários

que massa, espero que consigas publicar...=D

Tens algum livro publicado ou este sera o primeiro?
Cassionei Petry disse…
Se for publicado, será o primeiro. Mas às vezes penso se não é para o bem da humanidade que meus livros permaneçam inéditos.
Amigo, te conheço pouco... Mas já ouvi falar de ti algumas vezes em emu tempo de estudante de Letras na UNISC (coisas bacanas, é claro!) e sei de seu potencial, contudo não sei se me conhece, pergunte ao Fabiano que ele te fala sobre mim... Enfim, se está com medo, fique, pois é natural que se sinta assim, afinal não estamos brincando quando mandamos um pedaço de nossa alma para ser avaliada por outrem... Espero ler aqui um desabafo de como tudo deu certo na crítica editorial de suas obras, mas se não der... o mundo é quem vai perder!!!
Abraço e relaxe amigão!!!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …