Avançar para o conteúdo principal

Uma crônica fria


Gosto do frio. Minhas mãos gelam para digitar, porém não me importo. Meus pés necessitam de três meias, porém não me importo. Na cabeça, uma touca, que incomoda e revira meus cabelos, porém não me importo.
Já aquele mendigo na rua...
Gosto do frio, mesmo morando numa casa de madeira, cheia de frestas por onde entra um vento gélido. Prefiro o frio ao calor, pois nos dias quentes transpiro demais e tenho que ficar sempre na frente de um ventilador. Gosto muitos desses dias frios.
Aquele mendigo, porém...
O inverno é minha época preferida. Não gosto nem de meia estação. Acho engraçado quando as pessoas dizem que preferem o verão, mas se refugiam em ambientes climatizados, instalam ar-condicionado em seus carros e enfrentam o estresse de uma ida à praia com o intuito de se livrar do estresse do dia a dia. Assim como há as pessoas que preferem o frio, porém se munem com uma parafernália de panos e lãs para se proteger, correm para o fogão à lenha mais próximo ou se embrulham em um grosso edredom. Eu, por exemplo.
O mendigo, no entanto...
O inverno, paradoxalmente, é a época mais quente do ano. Ao contrário das outras estações, no inverno as pessoas se aproximam mais, ficam a maior parte do tempo em casa, os casais se abraçam para se aquecer, muitos se reúnem em volta da lareira para tomar um chimarrão ou um bom vinho, comer uma pipoca ou pinhão. Precisa-se mais do calor humano.
Mas o mendigo...
Alguns animais sofrem nessa época, outros aproveitam para hibernar. Há de tudo um pouco no mundo animal. Muitos donos vestem roupas quentes nos seus cachorrinhos, afinal os animaizinhos não podem passar frio. Imagine!
O mendigo levanta-se. Dirige-se àquela senhora que leva seu cachorrinho no colo, bem enroladinho no cobertorzinho. Ela anda com pressa, tentando se esquentar naquele final de tarde de baixa temperatura. O mendigo pede uma moedinha. A mulher, indignada, retruca:
- Pra quê? Pra comprar cachaça e ficar mais bêbado?
- É para comprar cachaça sim, minha senhora. Mas eu bebo cachaça para poder me esquentar nesse frio.
O cachorrinho late para o mendigo e a noite cai. Fria.

***
Ouvindo:

Comentários

Estou de acordo com tuas sábias palavras.
É a realidade. Nua e crua. E fria...
Muito bom seu texto, uma leitura muito madura e sensível utilizando um elemento que está aqui, nos fazendo tremer.
Abraço!!!!
Carlinus disse…
Que puta texto, Cassioney. A cada dia os seus textos estão melhores. Estou na Serra Gaúcha e o frio é uma poesia; uma mão invisível, acariciante. Entendo o que você está dizendo.

Parabéns!
AnaAlmeida disse…
Belo texto, colega!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …