Avançar para o conteúdo principal

Meu querido diário

Em pleno domingo de dia dos namorados, estou aqui, sozinho, pois a patroa está trabalhando. Leio e escrevo sobre o suicídio, para um ensaio do mestrado, e escuto música clássica, mais precisamente Martha Argerich, que completou há pouco 70 anos.

Hoje à tarde fomos tomar posse da nossa nova casa. Daqui a uma semana ou duas estaremos nos mudando. Finalmente teremos nossa casa própria. Sou agora um devedor da Caixa, por isso já peço antecipadamente aos meus leitores que, quando eu publicar meus livros, que os comprem, por favor! Se não puder pagar mais o financiamento, de 25 anos, posso perder a moradia! Não me deixem só!!!

Brincadeiras à parte, ter seu próprio cantinho é o que todos querem, apesar de muitos gostarem de serem parasitas. Morei por anos nos fundos da casa da minha sogra e dos meus cunhados, tudo gente boa, mas nada melhor do que ter mais privacidade. Só espero não ter vizinhos escutando funk e sertanejo a todo volume – o que será muito difícil.

Quanto ao mestrado, começaram as novas aulas. Pela bibliografia, acho que serão muito proveitosas. Já o desabafo que escrevi, permanecerá inédito, e só poderá ser publicado se eu morrer ou me suicidar.

Que mais... Bem, estou trabalhando com alunos da 6ª série leitura e produção de um diário e depois falaremos sobre o blog. Com a 7ª, trabalho o conto e com alunos do 3º ano do Ensino Médio, os minicontos. Pelo menos nos próximos dias, a gramática vai dar um tempo, mas depois tenho que voltar a ser gramatiqueiro, afinal os olhares dos colegas mais velhos e conservadores, presos à grade curricular, estão em cima.

O post de hoje está com cara de diário pessoal, hein? Mas não foi para isso que criaram o weblog?

Comentários

Tom Riddle disse…
Sempre gostei de diários. Muito bom. Parabéns pela casa!
Rejane Martins disse…
Puxa, mas que espaço surpreendentemente desconfortante este teu, Cassionei, em bons e instigantes textos. Um pequeno mundo virtual que abre portas, legal! Te encontrei pelo blog do Dilso e aqui estou.
Estive navegando em seus escritos!!
Abraços Ademar!
Cassionei Petry disse…
Tonzete, Rejane e Ademar, muito obrigado pelos comentários.
rose prado disse…
a gramática normativa ajuda a ordenar o pensamento no papel. Ela é importante, a sintaxe, a morfologia. Não interessam os detalhesinhos, mas importante ela é. Creia.
Cassionei Petry disse…
Rose Prado, eu até escrevi um texto aí atrás que defende o uso correto da língua. Concordo com o que você diz, mas a gramática que sou obrigado a dar é justamente com os "detalhesinhos".
Obrigado por comentar. Abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …