Avançar para o conteúdo principal

“ora”, direis, “escrever poemas”

“ora”, direis, “escrever poemas”
certo, perdi o senso
viver escrevendo é perdê-lo

não, não escrevo poemas,
apenas os assassino.
sina, destino

narrar é o que faço
passo noites morrendo
escrevendo, bebendo

inseparável café
aroma, sabor, dor,
palavras, amargor

Comentários

eu escrevo poema como quem decide bater uma... mas tenho que confessar que ás vezes os versos tendem a me perturbar bastante... decidem criar vida e poder sobre si mesmas, escolhendo as horas e os dias que sairiam de meu âmago e triste ser, sofro noites e dias sem escrever uma palavra se quer... =/
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário, Wagner.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

"Cacos e outros pedaços" no Caderno de Sábado do Correio do Povo

O lançamento do meu livro na semana passada teve divulgação no Caderno de Sábado do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre.