Avançar para o conteúdo principal

“Acho que vi um gatinho”

[Devaneios crônicos]

Gosto muito de animais de estimação. Aliás, gosto de animais de uma forma geral, inclusive de me alimentar de alguns. Mesmo sabendo que eles podem sofrer quando são abatidos, faz parte da minha natureza ser carnívoro, vem dos meus antepassados do tempo das cavernas. É engraçado as pessoas se intitularem bondosas porque defendem os direitos dos animais, muitas vezes apelando ao deus judaico-cristão, sendo que esse deus poderoso, cujo nome sou obrigado a ouvir e ler todos os dias, pedia sacrifícios de bichinhos inofensivos só para que esse mesmo nome ficasse cada vez  mais enaltecido. Está na Bíblia, ora!
Mas não devaneemos. Ou melhor, sim, devaneemos, afinal, esse texto inaugura a seção do blog que se chamará justamente devaneios crônicos. Cronicar, devanear e ganhar alguns leitores (e perder outros tantos).
Volto ao começo. Disse que gosto muito de animais de estimação. Por isso não os tenho. Quem tem algum bicho em casa, deve cuidar dele, alimentá-lo bem, dar-lhe afeto. Não é o que vejo com relação aos cachorros que rondam as ruas da cidade, atacando pessoas, principalmente nossos eficientes carteiros, e rasgando sacos de lixo para se alimentarem, não só de restos de comidas como também de fraldas e papéis higiênicos usados. As ruas ficam sujas e os animais acabam transmitindo doenças. Devido a isso, volta e meia aparece algum maníaco (ou melhor, não aparece, porque se esconde, o covarde) que envenena os bichinhos. O melhor amigo do homem passa a ser inimigo dele. Por que as pessoas não cuidam dos seus cães, não os mantém dentro de seus pátios e não os alimentam como merecem? “Ora”, direis, “manter os coitados presos!” Não presos e sim soltos, mas dentro dos pátios. É para o bem deles. E nosso.
Se fosse para ter um bichinho de estimação, teria um gato. Como sempre, porém, sou voto vencido aqui em casa, pois a patroa e a minha pequena querem um cachorrinho. O gato é um ser misterioso. Se os cachorros passeiam pelas ruas, os gatos preferem os telhados e muros. Se vemos tudo o que os cachorros fazem (inclusive cenas constrangedoras de sexo explícito), os gatos são mais discretos. Se sabemos os passos dos cães, não sabemos os dos gatos. Por onde andam durante a madrugada, o que fazem?
Imagino sempre um complô dos bichanos, como numa das histórias de Neil Gaiman na série de HQ Sandman. Em tempos remotos, os felinos governavam o mundo e dominavam os minúsculos homens. Um líder dos homúnculos reuniu seus pares, incentivando-os a sonhar com um mundo diferente. E conseguiram. Agora, é um líder felino que reúne na madrugada seus pares e os exorta a sonharem com um mundo em que eles voltariam a ser superiores.
Gosto muito de animais. Por isso meu santo padroeiro, quando era católico, foi São Francisco de Assis. Acontece que, muitas vezes, quando eu caminhava e algum cachorro se aproximava, eu rezava para que o santo me protegesse. Nunca tive as preces atendidas e recebia mordidas no calcanhar. Os gatos, por sua vez, me miravam de longe, com aquele olhar peculiar de mistério, talvez pensando: “deixa estar, humano. Logo, logo serei eu no seu lugar.”

Comentários

Tonzete Canivete disse…
Sempre imaginei isso. Sensacional. HAHA
Jorcenita disse…
Adorei este texto... e claro que mais 2 ou 3 pessoas tiveram que ouvi-lo também!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …