Avançar para o conteúdo principal

Um pedaço de mim

[devaneios crônicos]

Visitei um pedaço de mim no domingo.

Sim, tenho uma parte de mim que está distante. Tenho saudades dela. Vejo-a hoje desorganizada, suja. É triste vê-la nesse estado. Há muito pó, teias de aranha e pequenos insetos circulam por cima dela. Sei, no entanto, que é por pouco tempo essa separação.

Ao procurá-la, ela me dá o que preciso. Continua me satisfazendo, me proporciona prazer e, mesmo sabendo que a abandonei por um tempo, não é vingativa. Sabe que o que fiz não foi por mal. Claro que ainda esconde, por pirraça, alguns livros ou revistas, porém é só revirá-la que lá está o que procuro, e ela cede, sem reclamar.

Tive que deixar essa parte de mim quando mudei de endereço. Não há lugar para ela, por enquanto, na nova morada. São muitos autores e personagens, ocupando diferentes casas e andares. A superpopulação não cabe ainda no meu pequeno mundo, pelo menos fisicamente.

Nela fui buscar alguns moradores importantes, dos quais precisava para o mestrado. Divididos em casas, apartamentos, mansões e barracos, seus moradores, em sua maioria, esperam ser visitados, enquanto outros batem a porta na nossa cara.

Encontrei uma casa velhinha, reformada em 1946, mas construída no século XIX. Seu aspecto e o cheiro denotam sua antiguidade. Um dos seus moradores, um marido traído, reencontra o amante de sua mulher, que morreu anos antes. O construtor dessa casa é um russo que entende a condição humana como poucos e que também construiu a casa de um jogador inveterado que, dizem as más línguas, é um duplo do próprio russo.

Em outra moradia, na verdade um conjunto de apartamentos, encontrei alguns moradores estranhos, como aquele que vomita coelhos e outro que se transforma numa espécie de salamandra. Um dos apartamentos é ocupado por um tigre que circula em seus cômodos, obrigando os moradores a avisarem uns aos outros sobre a localização do animal, podendo assim se movimentarem com segurança pela residência. Em outro apartamento, dois irmãos tiveram que sair de casa, pois “eles”, não se sabe exatamente quem, começaram a ocupá-la peça por peça. O arquiteto desse condomínio foi um argentino grandão, que tinha o curioso passatempo de jogar amarelinha.

Falando em jogo, outro morador, um menino de 14 anos, se tornou conhecido nas redondezas por ser um craque na sinuca. O dono da casa onde ele mora, infelizmente, foi um dia encontrado morto, já em adiantado estado de decomposição em seu apartamento onde morava sozinho, causando uma comoção geral nos salões de sinuca do subúrbio. Morte natural, consta no atestado de óbito.

Foram esses moradores que fui buscar para morar comigo, causando ciúmes nos que ficaram. Avisei, porém, que voltaria para, definitivamente, transportá-los para o novo endereço. É questão de esperar, com o que esses moradores estão acostumados.

Comentários

Rejane Martins disse…
Eu também gostei muito desta tua crônica, Cassionei... ela tem um quê de gente. Um pormenor humano que conduz a narrativa da história que deixa ela grande :)

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …