Avançar para o conteúdo principal

A FORÇA DO MARTELO




Pensar em Nietzsche é pensar em um provocador. Ninguém passa pelos seus livros sem sair extremamente incomodado, seja positiva ou negativamente. Se me perguntam qual é a porta de entrada para a obra do “bigodudo”, aconselho a obra que eu considero a mais provocativa, Ecce Homo, em que o filósofo comenta e elogia os seus próprios livros. A maioria das pessoas, por isso, não passa da primeira página e reclama que o “cara se acha demais, é muito arrogante”. Pode ser, mas justamente essa postura que o fez ser o que é. Sua filosofia, como ele próprio afirmou, se dá a golpes de martelo, golpes, diga-se, certeiros em nossa cabeça.

Alguns acabam conhecendo o filósofo por vias tortas. O livro - mais tarde transformado em filme - Quando Nietzsche chorou foi lido - e assistido - por milhões de pessoas. No enredo, um encontro ficcional entre o Dr. Josef Breuer e o autor de O anticristo mostra como Nietzsche foi uma espécie de percursor da psicanálise, uma vez que ele já mencionava a questão do inconsciente em seus escritos. Na vida real, Breuer teria sido o precursor da psicanálise e Freud, que também aparece no filme, foi seu aluno.

No livro, o autor, Irvin D. Yalom, deixa bem claro, numa nota final, quais são os fatos que não correspondem à realidade e o que é verdade. O encontro entre Breuer e Nietzsche jamais aconteceu, por exemplo. O filme, no entanto, traz pequenos textos, no final, sobre o que teria acontecido com os personagens depois dos episódios retratados, dando a entender que o filme correspondia à realidade. Para um desavisado, tudo o que se passou na tela grande corresponderia a fatos reais.

Se valeu a pena “perder” uma manhã de aula para assistir ao filme? Acredito que sim. A sessão nos tirou da rotina. Ver Nietzsche como personagem, modifica a visão que temos dele. Nós o vemos, por exemplo, com um avental de paciente sendo examinado pelo médico, um desnudamento da figura. Sua fragilidade nos é passada pelo amor por Salomé, provocando de forma extrema o lado dionisíaco do nosso filósofo. Vemos um Nietzsche desiquilibrado emocionalmente, mostrando quem não só de razão vive um filósofo. Está aí a contribuição da obra, no papel ou na tela: fazer arte a partir da vida do autor dos vastos bigodes. Em vez de mostrar um Nietzsche que conhecemos, nos apresenta um novo Nietzsche, uma nova versão, talvez mentirosa, mas possível.

(Texto escrito para a disciplina "Leitura e virtualização", ministrada pela professora Nize Pellanda, no Mestrado em Letras da Unisc.)


Comentários

Nietzsche, assim como todo gênio, sabia que era gênio... Se ele se achava o "cara" é porque não precisou e nunca foi hipócrita... a começar pelo conflito com os alienados religiosos que nunca tiveram a grandeza de questionar sua própria "ciência"... Nietzche questionou e muito a sua...
Belo texto!!! Merece uma publicação... Manda para seus espaço a Gazeta!!!
Cassionei Petry disse…
Valeu, Dilso. Quanto a publicar na Gazeta, tenho que adaptá-lo, mas acho que vou publicar.
Já ia esquecendo... Feliz dia dos professores para nós!!!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…