Avançar para o conteúdo principal

F...



Um domingo em que somos acordados por um desastre. Os gritos dos mortos nos despertam, ao mesmo tempo em que nos amortecem. Não temos reação, salvo permanecer na frente da TV ou no computador, atualizando informações desencontradas e compartilhando fotos de uma morbidez insuportável. 

No meu caso, me refugio nos livros, na música clássica, em um filme de Bergman ou numa história em quadrinhos dos irmãos Moon e Bá, que por sinal traz a morte como tema. Aqui, porém, sei que é ficção e não realidade, apesar de a arte buscar no real sua inspiração. Posso parecer egoísta. No entanto, não é a indiferença que me afasta de tudo isso, mas sim o excesso de quem parece não estar indiferente. A tragédia se torna espetáculo que precisa ser visto e, nos tempos das redes sociais, comentado, fotografado e compartilhado. 

Hoje quero ficar longe do Twitter e do Facebook, duas ferramentas que me auxiliam na troca de informações sobre meus interesses, principalmente a literatura. O que vejo, porém, são somente notícias relacionadas à tragédia. Palavras repetidas, fotos chocantes, artistas que se promovem e piadas como “o gaúcho não gosta de uma carne assada?”

A TV ganha audiência, os apresentadores vociferam contra a irresponsabilidade, julgam, condenam. Repórteres perguntam qual o sentimento das pessoas (só falta alguém responder “estou feliz, vou até dançar um forró”).

Os religiosos, por sua vez, se dividem em dois lados: há os que lamentam e oram pedindo a um deus que dê conforto aos familiares (ignoram que esse deus todo poderoso poderia ter evitado que isso acontecesse) e há os que acreditam que tudo foi castigo para os jovens que bebiam e dançavam numa festa pecaminosa. Que deus filho da puta esse. 

Sensação estranha para um domingo, dia que deveria ser alegre, de descanso para algumas pessoas, de leituras, do churrasco e conversa jogada fora, do futebol, do Faustão e do Fantástico (esses três F’s que nos distraem na programação da TV dominical). Hoje é um domingo em que o F continua predominando, mas é o F de fraqueza, de fracasso, de falência, de fatalidade, de ferida, de fogo, de fumaça, de finitude. Para mim, resta a fuga. Fugir é uma fraqueza, mas fingimos que somos fortes. Essa vida é foda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …