Avançar para o conteúdo principal

1Q84 - conservadora a tradução brasileira



 Comparem:
 
Cap. 5 Livro 1

Tradução da edição brasileira, por Lica Hashimoto
“Antes de voltar para casa e dormir, precisava tomar algo para relaxar. Não era para menos; ela acabara de mandar um homem para o lado de lá. O canalha merecia morrer, estava certo, mas mesmo assim ele era um ser humano.”


Tradução da edição portuguesa, por Maria João Lourenço e Maria João da Rocha Afonso
“Sentia necessidade de tomar uma bebida alcoólica para acalmar os nervos antes de se deitar. Vendo bem, tinha acabado de despachar um homem para o outro mundo. Verdade seja dita que se tratava de um filho da mãe que merecia ser morto, mas, em última análise, era um ser humano.”


Tradução para o espanhol, por Gabriel Álvarez Martínez
“Antes de volver a su casa y dormir, necesitaba calmar los nervios con una copa. Y es que hacía tan sólo un rato había enviado al otro barrio a un hombre. Aunque fuera un hijo de puta que se merecía que lo mataran, una persona era una persona.”

Comentários

charlles campos disse…
Sei não. Uma única parte não dá para dizer que a tradução brasileira é conservadora. Um tanto precipitado. Li a tradução nacional e a achei melhor que as partes da tradução de Portugal que li pela net; mais fluida. E, Murakami, por mais que tenha felação e tal, é japonês, meu caro; não queira ver o despudor dos ficcionistas americanos nas cenas de sexo.

E note: a tradutora nacional trabalhou em cima do original. Será que os Lourenços, Afonsos e Martinez fizeram o mesmo? Não teria sido da versão norte-americana, que dizem ser apressada e apelativa?
Cassionei Petry disse…
Pode ser, me chamou atenção isso. Postei justamente para ver se alguém que conhece o original pode dar uma luz, afinal, para "canalha" e "filha da mãe", há uma diferença de expressões.
Vi muitos dizerem que a tradução brasileira é melhor. Particularmente, não estou gostando da brasileira.
charlles campos disse…
Aliás, gostei muito de seu conto "O Casarão". Um conto despretensioso muito eficaz. Singelo e metalinguístico nos toques de ironia com a história de clichê clássica que deu inspiração a ela. Já vi umas tantas fontes que bebem do mesmo enredo, inclusive um curta da Pixar sobre um menininho e uma loja deserta de bonecos, cuja porta, pasme... esqueceram aberta. Gostei dos exageros intencionais dos milhares de livros e da beleza descomunal da garota da sacada, e o quanto o conto segue a linha dos outros em sempre mostrar auto-retratos do autor. Muito bom mesmo o conto.
Cassionei Petry disse…
Que bom que gostou do conto.
Vou fazer outro post sobre a tradução do 1Q84.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …