Avançar para o conteúdo principal

“A eterna contradição humana”



Pedimos que os candidatos cumpram as leis, no entanto as descumprimos quando postamos fotos durante a votação, sendo que foi algo proibido pela justiça eleitoral.

Cobramos respeito dos candidatos, no entanto recusamos dar-lhe a mão se ele vem nos cumprimentar, numa atitude pseudorrebelde que só revela nossa falta de educação.

Queremos confiar no candidato, porém quebramos a confiança dele se tiramos uma foto e disfarçadamente mostramos um cartaz criticando-o.

Reclamamos da roubalheira dos políticos, no entanto aceitamos votar num candidato em troca de favores.

Ficamos indignados com os santinhos jogados pelas ruas, porém jogamos lixo para fora da janela do carro.

Queremos que os candidatos não coloquem cavaletes com propaganda nos trevos, mas colocamos propaganda de nossas lojas e empresas em calçadas, muros, postes de luz, paradas de ônibus...

Reclamamos por ter que ir votar no domingo, porém vamos felizes da vida assistir a um jogo de futebol, que é mais importante do que decidir o destino do nosso país.

Reclamamos que o voto é obrigatório, mas reclamaríamos se não pudéssemos escolher quem nos representa.

Pedimos o fim da propaganda eleitoral, porque o mais importante é a novela das 9 e aí ela começa muito tarde.

Criticamos quem vota em branco ou nulo, porém entregamos ao professor a prova em branco ou cheia de desenhos.

Reclamamos da urna eletrônica que pode ser fraudada, porém assistimos TV com uma antena pirateada e baixamos músicas sem pagar na internet.

Queremos que o político, já eleito, nos pague um salário do qual somos merecedores, entretanto sonegamos impostos.

Exigimos que o político se lembre de suas promessas de campanha, mas não lembramos em quem votamos na última eleição.

Como disse Deus ao Diabo em um conto do Machado de Assis: “É a eterna contradição humana.”

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …