Avançar para o conteúdo principal

O escritor observando os outros dançando

Dizem que hoje é (foi) o Dia do Escritor. Não era dia 25 de julho? Ah, sim, no dia 25 era o dia nacional, hoje é o mundial. E 23 de abril? Me deixa procurar no Google... Aqui está, é o Dia Internacional do Livro. Datas, datas. Não me acostumo com elas, pois são formadas por números. Sou mais das palavras, apesar de os números também poderem ser expressos por letras.
Posso dizer que sou escritor? Posso comemorar esse dia? Podem me parabenizar por isso? Alguns chatos de plantão dizem que não, pois para eles ninguém pode se dizer escritor e sim a crítica decide ou então quando o escriba já tem uma obra consolidada, reconhecida pelo meio editorial e pelos leitores, aí sim o sujeito pode se intitular assim. Acatando o que esses caras dizem, às vezes me chamo apenas de escriba ou um metido a escritor. Sinto vergonha de me colocar como tal. Mas, poxa, se o Paulo Coelho e que tais podem ser escritores, por que eu não posso? Ah, claro, deve ser porque não vendo milhares de livros (meu livro de contos, Arranhões e outras feridas, não ultrapassou os três dígitos na venda, mas quase chegou lá).
Cometi um atentado à literatura, então, ao publicar um segundo livro (primeiro romance ou narrativa longa, na verdade não muito longa). Os óculos de Paula foi escrito durante dois anos (ou mais, se contar que alguns fragmentos já existiam bem antes em anotações e até no blog) junto com notas sobre o processo de criação da obra. Os dois juntos, romance + notas, resultaram na minha dissertação de mestrado em Letras. Foi um livro pensado e repensado e ainda contou com a leitura e sugestões de um grande leitor, o professor Norberto Perkoski, especialista na obra de João Gilberto Noll e na literatura erótica (aliás, aproveito para dizer que, ao contrário do que pode querer mostrar o trecho do romance destacado na quarta-capa do livro, minha literatura não tem nada de erótica, foi escolha da editora), sem contar que foi avaliado por uma banca de peso, que elogiou o trabalho (o escritor Sérgio Schaefer e a professora da UFRGS Márcia Ivana de Lima e Silva).
Publicar o segundo livro foi um parto tão difícil quanto o primeiro e a vida dele parece que vai seguir o mesmo caminho, o do esquecimento, talvez, mas já não me importo. Escrevo e continuarei porque gosto de Literatura, porém não sei se publicarei um terceiro, pelo menos não nos moldes dos dois. Como não sei fazer o jogo literário do “me elogia que eu te elogio”, do “me enaltece que eu te divulgo”, do “me puxa o saco que eu te ajudo a ser publicado” e não sei me promover, minha carreira literária está fadada a ser discreta e que bom que assim seja (não por acaso não fiz questão de que saísse minha foto na orelha do livro). 
Já falei muito em fracasso, inclusive na dissertação de mestrado. Não falo mais. Inclusive fiquei sabendo que perdi mais um concurso literário, dos poucos que participo. Em outros tempos estaria chutando o balde e chorando nas redes sociais. Hoje, mais maduro ou menos ingênuo, sei que tudo é um processo que não temos como controlar. O melhor é seguir o baile e ver os outros dançando enquanto fico sentado, com meu copo de refrigerante, observando e batendo o pezinho.

Comentários

charlles campos disse…
Não é em absoluto a hora de parar ou se achar fora do páreo. É hora de prosseguir ainda com mais garra e prepotência.

Conselho do dia.

(Nunca escrevi isso aqui, mas lá vai: gosto muito de seu jeito ponderado de escrever; um jeito analítico, calmo, muito pensado, antiquado e meio anacrônico com o andamento do mundo. Talvez fosse o caso de você escrever aqui um texto sério sobre suas influências literárias, por que me vem à cabeça algo sobre elas.)
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário, Charlles. Texto sério sobre influências... pensarei sobre o assunto. Por falar nisso, preciso te enviar o livro em PDF, como fiz com o outro. Abraço.
charlles campos disse…
Gostaria enormemente, Cassionei.
charlles campos disse…
Do pdf, especificamente.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …