Avançar para o conteúdo principal

Escrever, viver, morrer (ou Devanear cronicamente mata)



Por que escrever? Blanchot afirma: “Podemos certamente escrever sem nos indagar por que escrevemos.” Podemos, mas não o fazemos. Sempre me pergunto por que faço isso. Todo o escritor se pergunta e escreve sobre.

Escrevemos para sobreviver. Sempre adiamos alguma coisa para fazer outra coisa. Medeia insistiu para que fosse adiado seu banimento, precisava tratar de sua vingança, sobre a qual, obviamente o rei Creonte não sabia. Ele concedeu a ela mais um dia, o suficiente para que ela concluísse seu plano. Eu, quando escrevo, adio minha morte e concebo minha vingança. Quando escrevo sobre o suicídio – a atração que sinto por este ato -, não o cometo, adio sua realização. Se parar, morro, por minhas mãos ou de outra forma. A escrita me mantém vivo. É uma vingança contra o mundo que me deixou nascer.

Por que escrever? Por que escrever um texto como este? Por que se debruçar sobre o pensamento de Maurice Blanchot, se não para adiar alguma coisa? Adiar talvez a escrita de outro texto.

“... a morte, quer dizer, a recusa da morte, a tentação do eterno, tudo que conduz o homem a preparar um espaço de permanência onde possa ressuscitar a verdade, mesmo se ela perece”, escreve Blanchot em “A conversa infinita”.

Por que escrever?

Escrevemos para morrer aos poucos. Cada vez que digito algo um pouco de mim sai dos dedos e preenche a página em branco do computador. Estou cometendo um suicídio. Sou um suicida, como alguns já sabem. Penso em suicídio durante boa parte do meu dia a dia. Não em cometê-lo, mas nos que o cometeram, pessoas reais ou da ficção, escritores ou personagens.

E por que não escrever?

E por que continuar escrevendo?

E por que deixar de escrever?

Por que não apenas ler, ler e ler? Por que não ser normal? Poderia estar apenas de um lado, mas decidi ir para o outro, desde o princípio, desde que comecei a decifrar esse código composto por fonemas representados por letras que formam palavras, fases, orações, parágrafos, textos. Decidi costurar tecidos também, em vez de apenas desfiá-los.

Já não sei mais se escrevo para sobreviver ou se escrevo para morrer. Só sei que morreria se não escrevesse, mas viveria se deixasse de fazê-lo.

A questão também é outra: escrever só para mim ou escrever para publicar? Morrer no claustro ou morrer publicamente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …